DVDs e Blu-rays com audiodescrição aproximam crianças com deficiência visual do mundo lúdico dos filmes infantis

Quando produzidos com este recurso inclusivo, permitem que o conteúdo audiovisual seja de fato compreendido pela criança com deficiência visual

São Paulo, 11 de outubro de 2013 – Como é conhecimento, crianças com deficiência visual aprendem a ler com a ajuda do Braile; sistema de leitura com tato para cegos. Mas e no caso dos filmes? Como conseguem compreender com o máximo de detalhes o que se passa em uma história cinematográfica? Essa questão já foi resolvida com a ajuda da audiodescrição (AD), recurso que traduz do visual para o verbal os cenários, as ações, os figurinos, dentre outros elementos que não fazem parte dos diálogos das personagens. O que falta, no entanto, é a sua inserção ainda no processo de confecção dos DVDs e Blu-rays, para que cheguem às lojas já contendo este benefício à disposição da pessoa com deficiência visual.

Para Bianca Chaló, mãe de uma menininha de apenas quatro anos com deficiência visual, encontrar DVDs e Blu-rays com audiodescrição à venda, seja pela Internet, seja em lojas físicas, é algo muito difícil. Moradora de Bauru, Bianca diz que desde que passou a procurar por filmes infantis com audiodescrição encontrou bem poucos. Atualmente possui apenas quatro, sendo três deles da Turma da Mônica. “Antes de conviver com a deficiência visual eu desconhecida a existência deste recurso inclusivo tão importante para a pessoa com deficiência ter acesso ao conteúdo audiovisual de modo mais completo. No entanto, desde que eu soube da existência da audiodescrição, passei a buscar filmes que contenham o recurso e dificilmente encontro, pois são poucos os que saem com ele das distribuidoras”, relata.

Nicole

Segundo Bianca, a quase inexistente inserção do recurso de audiodescrição nos filmes infantis torna o acesso ao conteúdo, tanto por parte da sua filha, quanto do público infantil, de um modo geral, preocupante. “A Nicole adora assistir filmes com o irmão que não tem a deficiência, mas muitas vezes se recusa porque não consegue entender o contexto da obra devido a falta do recurso na maioria deles. Quando o DVD não tem a audiodescrição eu fico do lado, tentando descrever o que se passa, mas isso nem sempre é possível porque tenho que cuidar das tarefas da casa, e quando isso ocorre ela fica triste, se recusa”, conta a mãe.

 Linguagem & palavras

Além da escassez de filmes com AD, Bianca já notou alguns cuidados que devem conter os filmes com o recurso. Um, que considera muito importante, é a contextualização da história antes do início da exibição; uma introdução, para ajudar a criança entender do que trata o enredo do filme. Outro ponto é o cuidado com a linguagem e a escolha das palavras, principalmente para crianças até cinco anos. Segundo Paulo Romeu, responsável pelo Blog da Audiodescrição e militante pela acessibilidade da pessoa com deficiência visual, há diferenças no desenvolvimento da audiodescrição infantil e adulto, começando pela entonação da narração e a elaboração de um roteiro apropriado. “A narração tem de ser mais interpretada, com entonação apropriada ao público infantil. A linguagem precisa ser adequada à faixa etária e o ritmo deve fluir de acordo com o contexto do filme”, explica Paulo Romeu.

Atualmente no mercado nacional existem poucos filmes produzidos para o público infantil já com audiodescrição. Um exemplo dele é o Smurfs, lançado em agosto de 2011, pela Sony Pictures, com roteiro de audiodescrição da Iguale Comunicação de Acessibilidade. Outros também lançados com este recurso, no Brasil, foram: A Turma da Mônica, Muppts, Tá Chovendo Hambúrguer, Hotel Transilvânia, Castelo Ra-tim-bum e Matilda. No entanto, o número de filmes comercializados nos formados DVDs e Blu-rays para a criançada é muito pequeno diante da grande produção de obras cinematográficas lançadas todos os anos, em todo o mundo.

Ainda segundo Paulo Romeu, 90% dos filmes distribuídos no Brasil vêm dos EUA e cerca de 30% deles vêm com audiodescrição, mas não em português, o que os tornam também pouco acessíveis. “O ideal é que venham com a audiodescrição já em Língua Portuguesa”, ressalta. Bianca pretende engrossar a luta das pessoas com deficiência por seus direitos e um dos temas que faz questão de colocar na pauta é o da audiodescrição nos filmes infantis. “Eu acredito que os novos filmes já deveriam sair de fábrica com a audiodescrição. Ao deixarem de incluí-los, acabam excluindo as demais pessoas com deficiência visual de ter acesso ao conteúdo de suas obras, o que é injusto”, opina a mãe da pequena Nicole.

Mais informações:

Liliana Liberato

Assessora de Imprensa

(11) 9 7999-2802

[email protected]

Iguale e Sony Pictures – Os Smurfs

Produção de “Os Smurfs” com Audiodescrição  em sessão de cinema para a Sony Pictures.

“Os Smurfs” com Audiodescrição da Iguale

CONVITE PARA SESSÃO DE CINEMA “OS SMURFS” – DUBLADO E COM AUDIODESCRIÇÃO DA IGUALE COMUNICAÇÃO DE ACESSIBILIDADE

A Sony Pictures e o Unibanco Arteplex convidam para uma sessão de OS SMURFS. Dia 27.08.11. Abertura da sala: 10h. Início da sessão: 11h. Unibanco Arteplex Frei Caneca – Rua Frei Caneca, 569 3º.piso – Centro. Filme dublado e com audiodescrição ao vivo.

Descrição da Imagem: Os Smurfs, pequenas criaturinhas azuis medindo aproximadamente 15 centímetros, estão em pé sobre uma pedra em frente a um lago, dentro de um parque arborizado. Ao fundo há alguns edifícios altos e o céu está nublado. Eles posam para o cartaz do filme. Da esquerda para a direita temos Smurf Desastrado, equilibrando-se para não cair da pedra; depois, Smurf Ranzinza com a cara fechada e os braços cruzados sobre o peito; em seguida está Smurf Gênio sorrindo com seus óculos de aros pretos, um livro debaixo do braço e um lápis atrás da orelha; Papai Smurf está bem na frente usando óculos escuros e de braços cruzados; ao lado dele está Smurfette, fazendo uma pose charmosa com um dos joelhos levemente dobrados, o rosto virado e a mão esquerda tocando o liso e comprido cabelo loiro. Por último está Smurf Arrojado, o único ruivo da turma. Ele tem uma expressão desafiadora e traz amão esquerda fechada na altura do queixo. Desastrado, Ranzinza e Gênio usam roupas tradicionais dos Smurfs: calça, sapatos e gorros brancos, deixando o peito nu. Papai Smurf é o único que usa calça, sapatos e gorro vermelhos. Ele tem barba branca e bigode bem cheios. Smurfette usa um vestido branco que deixa os joelhos à mostra. Usa sapatos com um pequeno salto e gorro brancos. Arrojado usa sobre a roupa tradicional dos Smurfs um kilt – vestimenta típica dos escoceses – quadriculado e em tons de azul.