CCSP terá sessões de teatro e cinema com audiodescrição nas comemorações dos seus 34 anos

Em maio, um dos espaços culturais mais tradicionais da capital paulista terá uma programação especial voltada à promoção da acessibilidade; a Iguale fará a produção de recurso inclusivo

São Paulo, maio de 2016 – O Centro Cultural São Paulo – CCSP completa 34 anos em maio e quem ganha é o público, que vai ter uma programação cultural especialíssima, das quais algumas das atrações terão o recurso acessível de audiodescrição produzido pela equipe da Iguale Comunicação de Acessibilidade.

Do dia 13 ao dia 15, de sexta a domingo, a programação do CCSP irá promover a acessibilidade. A intenção dos organizadores, durante este período, é não só criar condições acessíveis para o público com deficiência, mas também gerar discussões sobre o tema, expondo obras e ações artísticas conectadas com essa questão.

Breve descrição da imagem de divulgação - Espetáculo O Inimigo: um militar vestido com macacão cinza, capacete e óculos, está sentado de pernas cruzadas dentro de uma barraca de camping. O soldado segura uma foto de outro militar, que está de óculos e capacete. Ele aponta para a fotografia com os olhos arregalados e a boca aberta. Abaixo da fotografia, está escrito: O inimigo. A barraca é verde, com estampa camuflada e um grande furo no topo. A frente da barraca está aberta e é recoberta com algumas folhas de plástico. (Foto Fernanda Oliveira).
Breve descrição da imagem de divulgação – Espetáculo O Inimigo: um militar vestido com macacão cinza, capacete e óculos, está sentado de pernas cruzadas dentro de uma barraca de camping. O soldado segura uma foto de outro militar, que está de óculos e capacete. Ele aponta para a fotografia com os olhos arregalados e a boca aberta. Abaixo da fotografia, está escrito: O inimigo. A barraca é verde, com estampa camuflada e um grande furo no topo. A frente da barraca está aberta e é recoberta com algumas folhas de plástico. (Foto Fernanda Oliveira).

Como explica Mauricio Santana, diretor da Iguale Comunicação de Acessibilidade, o recurso de audiodescrição que estará disponível nas sessões de teatro e cinema, nos dias 14 e 15 de maio, contribuirá para que a pessoa com deficiência visual ouça com o auxílio de um fone de ouvido, detalhes que não são perceptíveis apenas através das falas dos personagens, mas sim devidamente descritas por um profissional especializado, o audiodescritor.

“De formato sonoro, a audiodescrição descreve todas as informações visuais de uma obra audiovisual, um impresso, uma fotografia, ou de outras manifestações culturais, como dança e teatro; transformando texto em som, detalhando conteúdos, expressões e gestos, além de cenário, figurino e outros acontecimentos de uma cena, por exemplo”, completa Mauricio.

As obras que fazem parte da programação cultural do CCSP e que receberão o recurso da Iguale serão todas roteirizadas e antes de serem apresentadas ao público passarão pela revisão de um consultor cognitivo com deficiência visual. De acordo com o diretor da Iguale, este cuidado é considerado como uma etapa muito importante dentro do processo de produção do recurso.

Breve descrição da imagem de divulgação - Espetáculo Os Médios: uma mulher branca e gorda (Maura Hayas) e um homem negro (Réggis Silva) estão sentados a frente de uma cozinha. Ambos sorriem sem jeito, enquanto seguram suas facas ao lado do corpo. A faca dele é pequena e a dela é enorme. O tronco da mulher é muito grande em relação às pernas, braços e cabeça. O homem é maltrapilho e sujo. Seus cabelos são castanhos e desgrenhados. (Foto Leekyung Kim).
Breve descrição da imagem de divulgação – Espetáculo Os Médios: uma mulher branca e gorda (Maura Hayas) e um homem negro (Réggis Silva) estão sentados a frente de uma cozinha. Ambos sorriem sem jeito, enquanto seguram suas facas ao lado do corpo. A faca dele é pequena e a dela é enorme. O tronco da mulher é muito grande em relação às pernas, braços e cabeça. O homem é maltrapilho e sujo. Seus cabelos são castanhos e desgrenhados. (Foto Leekyung Kim).

As sessões com audiodescrição serão para o espetáculo infantil “O Inimigo” e para o adulto “Os médios”. Já o filme com o recurso acessível será “Hoje eu quero voltar sozinho”. A entrada é gratuita para as sessões do espetáculo infantil e para a sessão de sábado do espetáculo adulto, para o qual cerca de 50 ingressos foram disponibilizados para o público com deficiência. Já para a sessão de domingo da peça “Os Médios”, os ingressos sairão R$ 20 inteira e R$ 10 meia-entrada. Nas sessões do filme será cobrado R$ 1 na retirada do ingresso, como “taxa de manutenção”. Informações: www.ingressorapido.com.br ou pelo telefone 11 3397-4058.

Sobre os espetáculos

O inimigo – A República Ativa de Teatro apresenta uma adaptação da obra de Davide Cali, O inimigo. Em meio a uma guerra, em algum lugar que poderia ser um deserto, há dois buracos. Nos buracos, dois soldados. Eles são inimigos. Sem poder sair do lugar, eles são obrigados a conviver com o perigo, que está ao lado. Mas será que ele é tão perigoso assim? Será que tudo aquilo que contaram é verdade? De maneira lúdica e divertida, esses soldados vão se surpreender com o que está do outro lado do front. Para dar vida a esses personagens, a encenação optou por apresentá-los com um tom cômico e patético, enaltecendo a situação e promovendo uma reflexão sobre as razões e consequências de uma guerra. Quem é o malvado da história? E o mocinho? Fugindo da simplificação bem versus mal, o espetáculo evidencia a complexidade da questão, na qual não há vencedores. Com: República Ativa de Teatro. Texto: Davide Cali. Adaptação: Leandro Ivo e Vivi Gonçalves. Direção: Val Pires. Elenco: Leandro Ivo e Thiago Ubaldo. 50 min. Livre.

Os Médios – Três histórias com pessoas comuns habitam um mesmo universo. Duas brasileiras fazem strip-tease em Amsterdã para sobreviver. A falta de dinheiro, o frio e a saudade permeiam a relação delas. Uma mulher sozinha faz uma sopa quando um morador de rua bate à sua porta pedindo comida, o que colocará à prova sua compaixão e o que acredita ser. Lola é a irmã que cuida de Lilo, um homem que vive como vegetal numa cadeira de rodas. O diálogo imaginário entre os dois revela a contradição entre fardo e amor. Texto e direção: Michelle Ferreira. Elenco: Flávia Strongolli, Maura Hayas, Réggis Silva, Victor Bittow e Martina Gallarza. 80min.14 anos.

PROGRAMAÇÃO – dia 14 de maio

Espetáculo O Inimigo (teatro infantil) Sala Jardel Filho – (321 lugares).

Horário: das 16h às 17h – 60 (sessenta) minutos

Sessão de Cinema – Filme “Hoje eu quero voltar sozinho” – Sala Lima Barreto
Horário: das 17h às 19h – 120 (cento e vinte) minutos

Espetáculo Os Médios – Sala Jardel Filho – (321 lugares).

Horário: das 21h às 22h30 – 90 (noventa) minutos

PROGRAMAÇÃO – dia 15 de maio

Espetáculo O Inimigo (teatro infantil) Sala Jardel Filho
Horário: das 16h às 17h – 60 (sessenta) minutos

Sessão de Cinema – Filme “Hoje eu quero voltar sozinho” – Sala Lima Barreto
Horário: das 17h às 19h – 120 (cento e vinte) minutos

Espetáculo Os Médios – Sala Jardel Filho
Horário: das 20h às 21h30 – 90 (noventa) minutos

Breve descrição da imagem de divulgação – Espetáculo O Inimigo: um militar vestido com macacão cinza, capacete e óculos, está sentado de pernas cruzadas dentro de uma barraca de camping. O soldado segura uma foto de outro militar, que está de óculos e capacete. Ele aponta para a fotografia com os olhos arregalados e a boca aberta. Abaixo da fotografia, está escrito: O inimigo. A barraca é verde, com estampa camuflada e um grande furo no topo. A frente da barraca está aberta e é recoberta com algumas folhas de plástico. (Foto Fernanda Oliveira).

Breve descrição da imagem de divulgação – Espetáculo Os Médios: uma mulher branca e gorda (Maura Hayas) e um homem negro (Réggis Silva) estão sentados a frente de uma cozinha. Ambos sorriem sem jeito, enquanto seguram suas facas ao lado do corpo. A faca dele é pequena e a dela é enorme. O tronco da mulher é muito grande em relação às pernas, braços e cabeça. O homem é maltrapilho e sujo. Seus cabelos são castanhos e desgrenhados. (Foto Leekyung Kim).

Sobre a Iguale Comunicação de Acessibilidade

A Iguale Comunicação de Acessibilidade é a primeira empresa do Brasil criada para pensar e desenvolver soluções assistivas completas em comunicação para pessoas com algum tipo de deficiência. Fundada em 2008, em São Paulo, pelo publicitário, professor universitário e empresário Mauricio Santana, a empresa é precursora do conceito de comunicação de acessibilidade no país. Entre os recursos que a empresa disponibiliza ao mercado estão a audiodescrição, as legendas descritivas (closed caption e open caption), LIBRAS, voice over, acessibilidade web, o app MovieReading e participação efetiva em projetos acessíveis.

Mais informações

Liliana Liberato – assessora de Imprensa

Iguale Comunicação de Acessibilidade

[email protected]

(11) 9 7999-2802

Filme brasileiro indicado para concorrer ao Oscar 2016 tem recursos acessíveis produzidos pela Iguale

Que horas ela volta? recebeu os recursos inclusivos que garantem melhor compreensão de seu conteúdo ao público com deficiência visual, auditiva e intelectual

29 de fevereiro de 2016 – Indicado para representar o Brasil na categoria de Melhor Filme Estrangeiro do Oscar 2016, “Que horas ela volta?”, dirigido por Anna Muylaert e protagonizado por Regina Casé, não chegou à premiação, que aconteceu neste fim de semana, em Los Angeles, nos Estados Unidos, mas aqui no Brasil já fez história. Além de ter recebido muitos elogios da crítica e do público, ganhou na pós-produção os recursos acessíveis de LIBRAS, Audiodescrição (AD) e legendas Closed Caption (CC), todos produzidos pela Iguale Comunicação de Acessibilidade. Feito que garante o acesso da pessoa com deficiência visual, auditiva e intelectual ao seu conteúdo.

Vencedor do prêmio de melhor filme do júri popular do Festival de Berlim, e melhor interpretação para Regina Casé e Camila Márdila no Festival Sundance, “Que horas ela volta?” se destacou devido à crítica à sociedade contemporânea brasileira. E é esta obra audiovisual, que mistura drama e comédia, e discute um Brasil dividido, que também inclui o público com deficiência visual, auditiva e intelectual, ao receber os recursos acessíveis.

Segundo Mauricio Santana, diretor da Iguale, foi uma satisfação produzir os recursos de LIBRAS, AD e CC, para o “Que horas ela volta?”, especialmente pelo tema que retrata e o modo como o aborda. E mais, por unir esta temática à Comunicação de Acessibilidade. “É sensível a preocupação e o respeito dos seus idealizadores para com o público com deficiência, ao incluírem LIBRAS, AD e legendas”, comenta Santana.

Na foto, Regina Casé, que no filme interpreta a empregada doméstica Val, está sentada em uma cama e em seu colo está Fabinho, filho do casal para o qual trabalha. O jovem está deitado de lado, com a cabeça apoiada nas coxas da empregada. Ela faz cafuné em seu cabelo. Ele parece gostar do carinho que recebe. Eles parecem conversar. Ela sorri. Eles estão no quarto do jovem.
Na foto, Regina Casé, que no filme interpreta a empregada doméstica Val, está sentada em uma cama com Fabinho, filho do casal para o qual trabalha. O jovem está deitado de lado, com a cabeça apoiada nas coxas da empregada. Eles estão no quarto do jovem. Val faz cafuné no cabelo dele, que de olhos fechados e com um singelo sorriso, parece gostar do carinho que recebe. Ela também sorri.

Com a janela de LIBRAS, a pessoa com deficiência auditiva, não usuária da Língua Portuguesa, consegue compreender as falas dos personagens e o contexto sonoro por meio da tradução feita pelo intérprete de LIBRAS. Com a AD, as pessoas com deficiência visual tem acesso a detalhes da obra, como as ações, os elementos que compõem o cenário, o figurino e a fisionomia dos personagens, através do som, das palavras oralizadas. Na Iguale a AD é previamente roteirizada e revisada por um profissional com deficiência visual.

Já as legendas Closed Caption oferecem as indicações do áudio original do filme (diálogos, ruídos, trilhas), e permitem de forma opcional, autonomia e compreensão do produto audiovisual às pessoas com deficiência auditiva e até mesmo aos demais públicos, estes que são chamados de “surdos temporários”. Ou seja, os frequentadores de restaurantes, bares, academias e outros locais públicos, onde há uma televisão ligada, porém sem volume devido ao grande ruído ambiente.

Sinopse do filme

Depois de deixar a filha no interior de Pernambuco e passar 13 anos como babá do menino Fabinho em São Paulo, Val tem estabilidade financeira, mas convive com a culpa por não ter criado sua filha Jéssica. Às vésperas do vestibular do menino, ela recebe um telefonema da filha que parece ser sua segunda chance. Jéssica quer apoio da mãe para ir morar com a mesma em São Paulo onde também pretende prestar o vestibular. Com alegria e ao mesmo tempo apreensão, Val prepara a tão sonhada vinda da filha, apoiada por seus patrões. Mas quando Jéssica chega, a convivência é difícil. A jovem não age dentro do protocolo esperado para ela, o que gera tensão dentro da casa. Todos serão atingidos pela autenticidade de sua personalidade. No meio deles, dividida entre a sala e a cozinha, Val terá que achar um novo modo de vida.

Ficha técnica:

Direção: Anna Muylaert

Elenco: Antonio Abujamra, Camila Márdila, Helena Albergaria, Karine Teles, Lourenço Mutarelli, Luis Miranda, Michel Joelsas, Regina Casé, Theo Werneck

Nome Original: Que Horas ela Volta?

Ano: 2015

Duração: 114 min

País: Brasil

Classificação: 14 anos

Gênero: Drama

Recursos acessíveis (AD, CC e LIBRAS): Iguale Comunicação de Acessibilidade