Em parceria com a Epson, Iguale apresenta o MovieReading na TecnoMultimedia Infocomm Brasil 2015

O evento tem início nesta terça-feira e segue até o dia 14. No estande da Epson haverá a apresentação dos óculos Moverio BT-200 e de sua aplicabilidade com o MovieReading

12 de maio de 2015 – A Iguale Comunicação de Acessibilidade é uma das empresas parceiras convidadas da Epson, líder mundial em impressão, projeção e imagem digital, na TecnoMultimedia InfoComm Brasil 2015, mais importante evento do País dos segmentos de sistemas audiovisuais, digital signage e comunicações corporativas, que acontece de 12 a 14 de maio, no Centro de Exposições São Paulo Expo, na capital paulista.

No vento, a Epson apresentará muitas novidades, e uma delas serão os óculos inteligentes Moverio BT-200, o mais recente lançamento da empresa no mercado de “wearables”, equipados com tecnologia capaz de aproveitar o máximo da Realidade Aumentada (RA). Com aplicações para diversos mercados, como a versão voltada para acessibilidade em cinemas, possui câmara, giroscópio, GPS e outros sensores inseridos no produto, que permitem que o software perceba os movimentos do usuário e de seu entorno, para proporcionar experiências úteis e inovadoras.

Com o Moverio BT-200, o cinema está preparado para ser acessível a deficientes auditivos, que poderão utilizá-los com o aplicativo MovieReading, lançado no Brasil pela Iguale Comunicação de Acessibilidade, e que permite que tanto as legendas quanto a audiodescrição, em Língua Portuguesa, sejam sincronizadas em tempo real com o filme a ser exibido. A sincronia dos recursos acessíveis simula a legenda como se estivesse na tela do filme ou televisor, o que é mais confortável para o usuário no que diz respeito à leitura das legendas versus assistir aos filmes.

Durante a TecnoMultimedia InfoComm Brasil 2015, a Epson e a Iguale promoverão sessões de cinema de inclusão com o curta metragem “A valsa do pódio”. A sala de cinema Epson estará equipada com uma tela de 106″ e projeção Laser com resolução 4K, óculos Moverio BT-200 com o aplicativo MovieReading onde o público, e em especial pessoas com deficiência auditiva que estiverem na feira, poderão assistir ao filme com legenda projetada nas lentes dos óculos, experimentando assim esta novidade que permite a total integração com o filme, sem a necessidade de uso de celular ou tablet.

Dias das sessões de cinema de inclusão:
Ás sessões com os óculos Moverio BT-200 e o app MovieReading acontecerão nos dias 13 e 14 de maio, às 13h30 e às 14h30.
Saída de transporte (acessível) do metrô Jabaquara para o Expo Imigrantes em dois horários às 12h30 e às 13h30 (haverá recepcionista com placa Epson para facilitar a localização). Retorno de transporte do local do evento para o metrô Jabaquara às 14h30 e às 15h30.
Capacidade total de pessoas com deficiência auditiva: 5 por sessão, devido ao número de equipamentos disponíveis. Capacidade total na sessão: 10 pessoas. As pessoas interessadas em participar do evento podem encaminhar e-mail de pré-reserva para: [email protected], com cópia para: [email protected]

Sobre o filme A Valsa do Pódio:
Em 2012, nos Jogos Paralímpicos de Londres, a atleta brasileira Terezinha Guilhermina confirmou sua posição de corredora com deficiência visual mais rápida do mundo: conquistou, ao lado de seu guia Guilherme Santana, duas medalhas de ouro nas provas de 100m e 200m rasos para cegos (T11). Além disso, protagonizou uma cena emocionante: na prova dos 400m, Guilherme desequilibrou-se e caiu; em solidariedade ao guia, Terezinha jogou-se no chão e abandonou a vitória que era certa até então. O documentário conta a história dessa grande atleta: suas conquistas, sua relação com o guia, o sonho olímpico e a felicidade de ganhar a medalha, a superação de mais um recorde mundial, e principalmente, como ela se divertiu durantes estes jogos e como curte sua vida.”
Produção: Superfilmes.
Direção: Bruno Carneiro e Daniel Hanai.

Agenda:
Dia 13/05

13h30 – Abertura – Palavra do Sr. Cid Torquato
13h40 – Espaço Iguale – Aplicativo MovieReading
13h50 – Início da primeira sessão com o filme “A valsa do pódio”
14h30 – Espaço Iguale – Aplicativo MovieReading
14h40 – Início da segunda sessão com do filme “A valsa do pódio”

Dia 14/05

13h30 – Espaço Iguale – Aplicativo MovieReading
13h40 – Início da primeira sessão com o filme “A valsa do pódio”
14h30 – Espaço Iguale – Aplicativo MovieReading
14h40 – Início da segunda sessão com do filme “A valsa do pódio”

Sobre a Iguale Comunicação de Acessibilidade
A Iguale Comunicação de Acessibilidade é a primeira empresa do Brasil criada exclusivamente para pensar e desenvolver soluções assistivas completas em comunicação para pessoas com algum tipo de deficiência. Fundada em 2008, em São Paulo, pelo publicitário, professor universitário e empresário Mauricio Santana, a empresa é precursora do conceito de comunicação de acessibilidade do país. Entre os recursos que a empresa disponibiliza ao mercado estão a audiodescrição, as legendas closed caption e open caption, LIBRAS, voice over, acessibilidade web e participação efetiva em muitos projetos com foco em acessibilidade.

Mais informações:
Assessoria de Imprensa da Iguale
Liliana Liberato (11) 9 7999-2802

Assessoria de Imprensa da Epson
André Matos (11) 9 8144-0850

Iguale faz audiodescrição para o curta ‘A valsa do pódio’

 

O documentário, com recurso acessível para pessoas com deficiência visual, retrata a história da paratleta olímpica Terezinha Guilhermina e seu guia, Guilherme Santana 

São Paulo, 9 de agosto de 2013 – A Iguale Comunicação de Acessibilidade fez a audiodescrição do documentário ‘A valsa do pódio’ produzido pelos diretores Bruno Carneiro e Daniel Hanai, por intermédio do projeto Memória do Esporte Olímpico Brasileiro, realizado pelo Instituto de Políticas Relacionais, com o apoio da Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura e da Cinemateca Brasileira.

O curta, que será lançado oficialmente na próxima terça-feira, dia 13 de agosto, em solenidade na Cinemateca Brasileira, em São Paulo, junto a outros documentários contemplados no projeto, retrata a história da paratleta Terezinha Guilhermina que conquistou, ao lado de seu guia Guilherme Santana, duas medalhas de ouro nas provas de 100m e 200m rasos para cegos (T11), na última edição dos Jogos Paralímpicos de Londres, em 2012.

Como explicam os diretores, o documentário não conta a história de uma atleta com deficiência visual, mas sim de uma parceria de sucesso feita por pessoas com vitalidade e alegria, que sentem prazer no que fazem. “Devido a deficiência visual, a história de vida de Terezinha Guilhermina poderia caber em um roteiro de documentário no estilo mais dramalhão. Mas desde o princípio dissemos: não vamos fazer um documentário de autoajuda. Nada disso. Vamos fazer algo pra cima e por sorte, tanto Terezinha quanto Guilherme são muito pra cima. O cerne do nosso trabalho é mostrar que os dois trabalham muito bem juntos”, completa Hanai.

Bruno Carneiro reitera, ainda, que o documentário é sobre uma parceria entre dois atletas em um esporte teoricamente individual, que devido a uma forte sintonia tornam a corrida um esporte de equipe, já que a atleta precisa do guia para executar a prova, o que se dá de forma harmoniosa. “A simbiose entre os dois é perfeita, tanto dentro da pista quanto fora”, ressalta.

Questionados sobre o nome do documentário, os diretores explicam que ‘A Valsa do Pódio’ poderia ter sido originado dos movimentos ritmados que, se cuidadosamente observados, fazem parte da corrida para cegos. Mas não foi desta comparação que surgiu o nome do curta. A inspiração, segundo Hanai veio da cerimônia de premiação dos 100m em que Guilherme levou Terezinha ao lugar mais alto do pódio como se estivessem valsando.

Sobre o cuidado de incluir a audiodescrição na produção do curta, os diretores contam que foi uma iniciativa que partiu da própria equipe ainda durante as gravações. Como relata Hanai, na captação das imagens, os comentários eram de que estavam ficando legais, curiosas, interessantes, e que devido à deficiência visual, Terezinha Guilhermina não conseguia conferir, como os demais, o resultado das imagens. Com a audiodescrição, a intenção é que ela possa assistir ao documentário com toda a riqueza de detalhes. “Para nós, a audiodescrição é a cereja do bolo. Algo que vem a somar ao nosso trabalho”, conclui o diretor.

Conforme divulgado pelo Memória do Esporte Olímpico Brasileiro, após lançamento no dia 13, ‘A Valsa do Pódio’ e os demais documentários produzidos nesta edição do projeto serão exibidos na ESPN Brasil e em uma Mostra na Cinemateca Brasileira. Na ESPN, a ‘A Valsa do Pódio’ irá ao ar no dia 6 de outubro, às 21h30, podendo também ser visto pela SKY: canal 30; NET: canal 70; Claro: canal 46; Oi TV: canal 112; Vivo: canal 462 e GVT: canal 47.

Sinopse – ‘A Valsa do Pódio’

Em 2012, nos Jogos Paralímpicos de Londres, a atleta brasileira Terezinha Guilhermina confirmou sua posição de corredora com deficiência visual mais rápida do mundo: conquistou, ao lado de seu guia Guilherme Santana, duas medalhas de ouro nas provas de 100m e 200m rasos para cegos (T11). Além disso, protagonizou uma cena emocionante: na prova dos 400m, Guilherme sentiu a perna e caiu; em solidariedade ao guia, Terezinha jogou-se no chão e abandonou a vitória. O documentário vai contar a história dessa grande atleta: suas conquistas, sua relação com o guia, o sonho olímpico e a felicidade de ganhar a medalha, a superação de mais um recorde mundial, e principalmente, como ela se divertiu durantes estes jogos e como curte sua vida.

Ficha técnica

Nome: A valsa do pódio

Gênero: documentário

Duração: 26 minutos

Direção e Roteiro: Bruno Carneiro e Daniel Hanai

Argumento: Daniel Hanai

Produção executiva: Zita Carvalhosa

Direção de Produção: Jorge Guedes

Direção de Fotografia: Mariano Kweller

Animação: Estúdio Nautilus (Daniel Bruson)

Som Direto: Fernando Russo

Edição de Som: Guile Martins

Montagem: Márcio Miranda Perez

Audiodescrição: Iguale Comunicação de Acessibilidade – www.iguale.com.br

Projeto Memória do Esporte Olímpico Brasileiro – www.memoriadoesporte.org.br

Foto divulgação

A imagem diurna mostra a atleta Terezinha Guilhermina e seu guia Guilherme Santana, dançando valsa em uma pista de atletismo.  A pista fica em um pequeno estádio, com arquibancadas em volta. No centro do local há um grande e verdejante gramado, à direita da imagem. Ao fundo há muitos prédios e pode se ver parte do céu carregado de nuvens cinzentas.  A pista de saibro tem uma coloração entre o marrom e o vermelho e é dividida em oito raias. A dupla está na quarta, bem no centro da imagem. Ambos tem a pele morena e usam uniformes do Comitê Paralímpico Brasileiro: calças pretas e blusas amarelas, de mangas compridas. O tênis dela é vermelho enquanto o dele é cinza. Guilhermina usa ainda um brinco redondo e branco e está com a sua venda de lantejoulas  coloridas sobre o topo da cabeça. Ambos sorriem com as mãos dadas à frente de seus corpos, como se dançassem em direção à câmera.
Descrição da foto: A imagem diurna mostra a atleta Terezinha Guilhermina e seu guia Guilherme Santana, dançando valsa em uma pista de atletismo. A pista fica em um pequeno estádio, com arquibancadas em volta. No centro do local há um grande e verdejante gramado, à esquerda da imagem. Ao fundo há muitos prédios e pode se ver parte do céu carregado de nuvens cinzentas. A pista de saibro tem uma coloração entre o marrom e o vermelho e é dividida em oito raias. A dupla está na quarta, bem no centro da imagem. Ambos tem a pele morena e usam uniformes do Comitê Paralímpico Brasileiro: calças pretas e blusas amarelas, de mangas compridas. O tênis dela é vermelho enquanto o dele é cinza. Guilhermina usa ainda um brinco redondo e branco e está com a sua venda de lantejoulas coloridas sobre o topo da cabeça. Ambos sorriem com as mãos dadas à frente de seus corpos, como se dançassem em direção à câmera.