Filmes ‘Triste Oceano’ e ‘Terra do Silêncio’ em cartaz na Mostra Ecofalante terão recursos de acessibilidade da Iguale

Até 13 de junho, em São Paulo, acontecerá a 7ª edição da Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental que exibirá dois dos filmes da programação com os recursos de audiodescrição (AD), LIBRAS e Legendas para Surdos e Ensurdecidos (LSE), produzidos pela Iguale Comunicação de Acessibilidade.

As sessões que contarão com os recursos acessíveis acontecerão no domingo, dia 10 de junho. ‘Triste Oceano’ às 15h30 e ‘Terra do Silêncio’ às 17h30. Ambas no Centro Cultural São Paulo (CCSP), com entrada gratuita.

Sobre a Mostra

A Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental é considerada o mais importante evento audiovisual sul-americano dedicado a temas socioambientais. No total, serão exibidos 121 filmes, representando 31 países. A iniciativa celebra a Semana Nacional do Meio Ambiente e o Dia Mundial do Meio Ambiente (que se comemora no dia 5 de junho).

O evento ocupará 82 salas de cinema e espaços culturais e educacionais de São Paulo, como Reserva Cultural, Centro Cultural Banco do Brasil, Espaço Itaú Augusta e o Circuito Spcine, entre outros. É uma realização da ONG Ecofalante, do Ministério da Cultura do Governo Federal, e da Secretaria da Cultura do Governo do Estado de São Paulo. Uma correalização da Spcine, da Secretaria de Cultura da Prefeitura de São Paulo e do Goethe-Institut, tem patrocínio da Sabesp, Tigre e Kimberly-Clark, com apoio da White Martins,  Reciclo Pepsico e Instituto Clima e Sociedade, é viabilizado através da  Lei de Incentivo à Cultura  e do Programa de Apoio à Cultura (ProAC).

Sinopses dos filmes com acessibilidade

Triste Oceano

Blue

Austrália, 2017, 76′

de Karina Holden

Metade da toda a vida marinha foi perdida nos últimos 40 anos. Em 2050, haverá mais plástico do que peixes nos mares. Diferente do que imaginamos nos últimos séculos, o oceano não é um lugar de recursos ilimitados, imune à mudança e ao declínio. Através de entrevistas com apaixonados ativistas, o filme desvela a história das mudanças em nosso oceano para defender a necessidade de preservá-lo.

Trailer: https://youtu.be/-kBpDewB7Xo

Principais festivais e prêmios: Planet in Focus – Canadá

Terra do Silêncio

Silent Land: The Fight for Fair Food

Holanda, 2016, 75′

de Jan van den Berg

Seng Channeang é uma camponesa cambojana que quer manter sua produção orgânica de arroz independente frente ao poderio das grandes empresas. Ela tenta criar uma cooperativa com outros lavradores, mas Sua Excelência Mong Reththy, um dos homens mais ricos da região, tem outros planos para seu país. Acompanhamos a luta pelo direito à terra travada por esta jovem corajosa e sua comunidade, enfrentando despejos, poluição e os diversos interesses do agronegócio.

Trailer: https://youtu.be/RFcuhibH-mo

Principais festivais e prêmios: IDFA – Festival Internacional de Documentário de Amsterdã – Holanda, CinemAmbiente – Itália.

[AGENDA]

Evento: 7ª edição da Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental.

Realização: Ong Ecofalante.

Data: 31 de maio até 13 de junho de 2018.

Sessões com acessibilidade: Dia 10 de junho (domingo), às 15h30 ‘Triste Oceano’ e às 17h30 ‘Terra do Silêncio’.

Local: CCSP – Centro Cultural São Paulo

Recursos de acessibilidade: Iguale Comunicação de Acessibilidade

Entrada franca

Para mais informações acesse: www.ecofalante.org.br

Sesc Vila Mariana apresenta ‘Os Três Mosqueteiros’ com o recurso acessível de audiodescrição

Domingo, dia 20, às 15h, o Sesc Vila Mariana, em São Paulo, realizará uma sessão do espetáculo infantil ‘Os três mosqueteiros’, da Cia. Viradalata, com o recurso acessível de audiodescrição produzido pela Iguale Comunicação de Acessibilidade.

O espetáculo com acessibilidade é parte das atividades do Sesc Vila Mariana para a Vira Cultural, que acontece este fim de semana na capital paulista. Assim como todas as atrações que integram a Virada Cultural, o espetáculo teatral terá entrada franca.

A audiodescrição

Com a audiodescrição, o espetáculo proporcionará autonomia aos espectadores com deficiência visual que terão melhor entendimento do conteúdo não verbal. Segundo o diretor da Iguale, Mauricio Santana, em um espetáculo teatral, como ‘Os três mosqueteiros’, por exemplo, a audiodescrição narra através ou pela voz de um audiodescritor, o máximo de detalhes de tudo o que acontece nos atos, sem o qual a pessoa com deficiência visual não compreenderia.

A audiodescrição interage de acordo com os espaços oferecidos entre os diálogos dos personagens, respeitando o roteiro original, as intenções de pausas, ruídos sonoros e trilhas. “É um recurso que promove acesso e autonomia às pessoas com deficiência visual, por isso é tão importante para a inclusão da pessoa com deficiência”, complementa o diretor da Iguale.

Sobre o espetáculo

O espetáculo apresenta uma adaptação da obra de Alexandre Dumas, cuja história se passa na França de 1625, época de grande convulsão política e religiosa em que o Rei Luís XIII e seu conselheiro, o Cardeal Richellieu, querem manter o controle de seus compatriotas protestantes na defesa dos interesses franceses.

Nesse contexto, D’Artagnan, um jovem provinciano, sai de sua terra natal em direção a Paris, com o intuito de se tornar um fiel mosqueteiro do rei. Para alcançar seus objetivos, ele se junta a Athos, Porthos e Aramis. “Um por todos e todos por um” resume de forma fidedigna alguns dos significados desta história: a luta pelo poder e a importância da amizade.

[Agenda]

Espetáculo ‘Os três mosqueteiros’

Local: Auditório do SESC Vila Mariana

Data: Domingo – dia 20 de maio de 2018

Horário: 15h

Recurso de audiodescrição: Iguale Comunicação de Acessibilidade

Para saber mais acesse:

https://www.sescsp.org.br/programacao/146158_OS+TRES+MOSQUETEIROS

Pelo terceiro ano, Iguale apoia o Filmworks Film Festival

O festival exibe na telona as produções dos alunos da AIC; um dos filmes vencedor receberá os recursos inclusivos da Iguale como parte da premiação

17 de maio de 2018 – Pelo terceiro ano consecutivo a Iguale Comunicação de Acessibilidade apoia a Academia Internacional de Cinema (AIC) na realização do Filmworks Film Festival. Em sua 9ª edição, o evento é a chance para que os alunos da AIC tenham os seus filmes exibidos na telona, além de premiá-los em diferentes categorias. No Rio de Janeiro, o Filmworks Film Festival acontece nos dias 21 e 22 de maio, no cinema Estação Net Rio, e em São Paulo nos dias 24 e 25 de maio, no MIS – Museu da Imagem e do Som.

A Iguale, além de apoiadora terá, pelo terceiro ano, a responsabilidade de produzir para um dos filmes vencedor os recursos de audiodescrição, legendas descritivas/LSE e LIBRAS. “Como produtora especializada em conteúdo acessível, e incentivadora do cinema inclusivo no Brasil, a Iguale sente-se honrada em apoiar o Filmworks Film Festival, que apresenta ao mercado novos profissionais do cinema contemporâneo”, comenta Mauricio Santana, diretor da Iguale.

Nesta edição serão exibidos 23 filmes no Rio e 31 em São Paulo, totalizando 54 novos filmes produzidos na AIC em 2017, e que concorrem em 12 categorias: Direção, Roteiro, Fotografia, Edição, Direção de Arte, Som, Atuação, Melhor Filme, New Vision, Júri Popular, Curta Livre e Melhor Documentário.

Descrição da imagem #pracegover #pratodomundover: do lado esquerdo de um retângulo de fundo esverdeado está a imagem de uma coruja estilizada, em tons preto e esverdeado, apoiada sobre um galho. Já do lado direito do retângulo está grafado na cor preta o nome do evento: 9º Filmworks Film Festival, em cores branca e dourada.

Sobre os motivos que levam a AIC a incluir a acessibilidade nos trabalhos de seus alunos, Flávia Rocha, fundadora da AIC, explica que as artes precisam acompanhar a evolução da mídia no que diz respeito à acessibilidade — e esse é um tema que precisa ter ainda um aprofundamento no universo audiovisual. Para ela, uma empresa como a Iguale trilha justamente esse percurso, tão necessário à evolução técnica e profissional de obras que cumpram com objetivos internacionais de acessibilidade, ajudando a fomentar uma cultura de acessibilidade no país.

“Para nós, na AIC, é importante que nossos alunos participem dessas discussões e tenham oportunidade de desenvolver projetos cada vez mais acessíveis, alinhados com princípios democráticos e humanos, no que diz respeito à produção e difusão de obras audiovisuais. A premiação reforça justamente essa posição”, finaliza Flávia.

Para saber mais sobre o festival acesse: https://www.aicinema.com.br/filmworks-film-festival-2018/#

Longa ‘Diário da Minha Cabeça’ estreia com acessibilidade no app MovieReading

 

São Paulo, maio de 2018 – Até o dia 21 de maio acontece em São Paulo a 7ª edição do Panorama do Cinema Suíço Contemporâneo, e um dos destaques dessa programação é o inédito “Diário da Minha Cabeça” (Journal de Ma Tête), da cineasta Ursula Meier, que conta com os recursos de acessibilidade – LIBRAS, audiodescrição e legendas descritivas – por meio do aplicativo MovieReading.

O filme “Diário da Minha Cabeça” é o mais novo longa da diretora do “Minha Irmã”, vencedor do Urso de Prata especial no Festival de Berlim. Ao ser parte do 7º Panorama do Cinema Suíço Contemporâneo, ele está sendo exibido no CineSesc e no Centro Cultural Banco do Brasil, ambos na capital paulista. Mas o mesmo também seguirá para o CCBB de Brasília e do Rio de Janeiro.

Para este filme, os recursos de LIBRAS, audiodescrição e legendas descritivas foram produzidos pela Iguale Comunicação de Acessibilidade, que também é a representante exclusiva do aplicativo MovieReading no Brasil, América do Sul, México e USA.

Descrição da imagem #pracegover #pratodomundover: pôster do filme “Diário da minha cabeça” no qual um jovem, visto de frente, dispara uma arma. O fogo e a fumaça provocados pelo disparo, escondem o seu rosto. No centro da imagem está escrito: Journal de Ma Tête. Um film de Ursula Meier. Avec Fanny Ardant e Kacey Mottet-Klein

Sobre o MovieReading

Para assistir ao filme com os recursos de acessibilidade é preciso baixar o aplicativo na Play Store, para dispositivos com sistema Android, ou na Apple Store, para dispositivos com sistema iOS. O aplicativo é gratuito e funciona em smartphones e tablets. O ideal é instalar o aplicativo no aparelho com antecedência, para evitar contratempos no momento da exibição. O tutorial de uso do app estão no site www.moviereadingbrasil.com.br. Feito o download do app no dispositivo móvel é preciso apenas baixar o arquivo referente ao recurso de acessibilidade do filme. No início da sessão, aperte sincronizar e o dispositivo fará o pareamento com o filme. Para a audiodescrição é fundamental ter fones de ouvido. Uma dica do MovieReading para ter uma sincronia mais rápida e eficaz é não utilizar fones de ouvido com microfone acoplado. Utilize sempre o microfone do dispositivo.

Outra dica importante, é tomar cuidado para não bloquear o microfone do dispositivo móvel, colocando-o no bolso ou utilizando capinhas fechadas.

Sobre o Festival

A 7ª edição do Panorama do Cinema Suíço Contemporâneo está sendo exibido no Cinesesc, até 16 de maio, e no CCBB SP, até o dia 21 de maio. Além disso, terá itinerância em sua programação. Uma no Centro Cultural Banco do Brasil de Brasília (CCBB DF), de 22 de maio a 10 de junho, e outra no Rio de Janeiro, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB RJ), de 30 de maio a 16 de junho.

Sobre o filme “Diário da Minha Cabeça”

Ficção | Suíça | 2017 | 70 min. | 14 anos

Título Original: Journal de Ma Tête

Direção: Ursula Meier

Sinopse: Poucos minutos antes de atirar em seus pais a sangue-frio, Benjamin Feller (Kacey Mottet Klein), um rapaz de 18 anos, aparentemente calmo, envia pelo correio um diário em que confessa e explica o duplo assassinato para Esther Fontanel (Fanny Ardant), sua professora de literatura. A associação dessa mulher ao ato de Benjamin acontece alguns meses após ela incentivar os alunos a escrever um diário. Esther se encontra interrogada pela lei, mas logo ela é confrontada por suas próprias dúvidas. E se o gosto dela por uma literatura assombrada pelos tormentos da alma humana a deixasse cega diante da angústia de seu pupilo e do que estava escondido por trás da prosa febril que ele a fez ler antes do crime?

Agenda – São Paulo

>> CineSESC

De 09 a 16 de maio.

Rua Augusta, 2075 | Cerqueira César.

>> Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo

De 09 a 21 de maio.

Rua Álvares Penteado, 112 | Centro.

Teu Mundo Não Cabe nos Meus Olhos estreia nos cinemas com acessibilidade via app MovieReading

28 de abril de 2018 – A Iguale Comunicação de Acessibilidade é a responsável pela produção do recurso LSE – Legenda para Surdes e Ensurdecidos do filme Teu Mundo Não Cabe nos Meus Olhos, uma coprodução da Accorde Filmes, Telecine e Paris Filmes, que estreia nos cinemas dia 3 de maio. O recurso será adaptado e estará disponível no aplicativo MovieReading que no Brasil e na América do Sul tem como representante exclusivo a própria Iguale.

De acordo com Mauricio Santana, diretor da Iguale, Teu Mundo Não Cabe nos Meus Olhos terá além da LSE, os recursos de Audiodescrição e Libras também disponíveis no MovieReading. O único diferencial, é que a produção destes outros dois recursos de acessibilidade é da Accorde Filmes, produtora responsável da obra cinematográfica.

Imagem colorida do pôster oficial do filme Teu Mundo Não Cabe nos Meus Olhos. Em primeiro plano está o rosto do ator Edson Celulari. Ele tem a pele clara, olhos esverdeados, cabelos curtos grisalhos e usa uma camisa de tom azul claro. Logo atrás, em segundo plano, está a atriz Soledad Villamil, ela tem a pele clara, cabelo longo, liso, castanho escuro e usa franja. Seus olhos também são esverdeados. Um pequeno detalhe na blusa dela mostra que a mesma é cheia de desenhos bem coloridos. No alto na imagem estão os nomes dos atores. Ao centro o nome do filme, Teu Mundo Não Cabe nos Meus Olhos, com as letras brancas dispostas como numa tabela de teste de visão. Abaixo do título, a informação: dirigido por Paulo Nascimento.
Descrição da imagem #pracegover #pratodomundover: imagem colorida do pôster oficial do filme Teu Mundo Não Cabe nos Meus Olhos. Em primeiro plano está o rosto do ator Edson Celulari. Ele tem a pele clara, olhos esverdeados, cabelos curtos grisalhos e usa uma camisa de tom azul claro. Logo atrás, em segundo plano, está a atriz Soledad Villamil, ela tem a pele clara, cabelo longo, liso, castanho escuro e usa franja. Seus olhos também são esverdeados. Um pequeno detalhe na blusa dela mostra que a mesma é cheia de desenhos bem coloridos. No alto na imagem estão os nomes dos atores. Ao centro o nome do filme, Teu Mundo Não Cabe nos Meus Olhos, com as letras brancas dispostas como numa tabela de teste de visão. Abaixo do título, a informação: dirigido por Paulo Nascimento.

Assim, explica Santana, o público com deficiência que for assistir Teu Mundo Não Cabe nos Meus Olhos terá acesso às versões de acessibilidade por meio do app MovieReading, que sincroniza os recursos com o termpo exato do filme, por meio de uma tecnologia de reconhecimento de áudio, sem a necessidade de equipamentos específicos ou mesmo Wi-Fi.

“O MovieReading é uma inovação da tecnologia assistiva, e é algo que veio para mudar o modo como a pessoa com deficiência assimila o conteúdo das obras audiovisuais e se relaciona com o universo do cinema. Ficamos felizes que a Accorde Filmes coloque à disposição do público com deficiência mais uma de suas obras no app MovieReading”, completa Santana.

Sobre o MovieReading

Para assistir ao filme com os recursos de acessibilidade é preciso baixar o aplicativo na Play Store, para dispositivos com sistema Android, e na Apple Store, para dispositivos com sistema iOS. O aplicativo é gratuito e funciona em smartphones e tablets. O ideal é instalar o aplicativo no aparelho com antecedência, para evitar contratempos no momento da exibição. O tutorial de uso do app estão no site www.moviereadingbrasil.com.br. Segundo o diretor da Iguale, feito o download do app no dispositivo móvel é preciso baixar também o arquivo referente ao filme. No início da sessão, aperte sincronizar e o dispositivo fará o pareamento com o filme. Para a audiodescrição é fundamental ter fones de ouvido.

Sobre Teu Mundo Não Cabe nos Meus Olhos

Em Teu Mundo Não Cabe nos Meus Olhos, Vitório (Edson Celulari, de Diário de Um Novo Mundo), cego de nascença, é dono de uma pizzaria herdada de seu pai no tradicional bairro do Bixiga, em São Paulo, famosa por oferecer a melhor pizza da região. Vivendo uma vida feliz com a mulher Clarice (Soledad Villamil, de O Segredo dos Teus Olhos), a filha Alícia (Giovana Echeverria, de #Garotas – O Filme) e seu assistente na pizzaria, Cleomar (Leonardo Machado, de Os Senhores da Guerra), Vitório está em pleno controle da vida, adaptado à sua cegueira. Mas após um infeliz incidente, seguido pela descoberta de que existe a possibilidade de enxergar, Vitório inicia um conflito consigo mesmo e vai precisar tomar uma grande decisão, que influenciará todos à sua volta. O filme fala da necessidade de tolerância e respeito ao desejo dos outros.

Ficha técnica

Roteiro e direção Paulo Nascimento

Produzido por: Edson Celulari e Paulo Nascimento

Produção executiva: Marilaine Castro da Costa

Uma realização Accorde Filmes, Telecine e Paris Filmes

App MovieReading: Iguale Comunicação de Acessibilidade

44º Festival Sesc Melhores Filmes acontece com audiodescrição e legendas Open Caption

Nesta edição, a Iguale Comunicação de Acessibilidade está à frente da produção destes dois recursos de acessibilidade

12 de abril de 2018 – Considerado um dos mais tradicionais da cidade de São Paulo, o Festival Sesc Melhores Filmes acontece no CineSesc, até o dia 25 de abril, com uma programação bem variada para agradar públicos de todas as idades.

Nesta 44ª edição, o festival terá filmes que foram destaque em 2017 e muitos deles contarão com os recursos inclusivos de audiodescrição e legendas Open Caption produzidos pela Iguale Comunicação de Acessibilidade.

Com ingressos a preços populares e uma grande variedade de filmes dos mais diferentes gêneros, o 44º Festival Sesc Melhores Filmes é uma excelente opção para quem deseja conferir alguns destaques recentes da sétima arte.

A grade de exibição do Festival conta com mais filmes, porém a seguir estão listados apenas os que terão os recursos de acessibilidade.

Descrição da imagem #precegover #pratodomundover: logotipo do festival. A cor de fundo é azul claro que realça a grafia do nome do evento, 44º Festival Sesc Melhores Filmes, na cor branca. As letras são maiúsculas e estão cortadas ao meio horizontalmente.

Sessões com acessibilidade

Dia 13/4 – Sexta

14h30 – Poesia Sem Fim

17h00 – Guerra do Paraguay

19h00 – Dunkirk

21h30 – Roda Gigante

Dia 14/4 – Sábado

14h30 – Gabriel e a Montanha

17h00 – Uma mulher Fantástica

19h00 – A Glória e a Graça

21h30 – Toni Erdmann

Dia 15/4 – Domingo

11h00 – Moana: Um Mar de Aventuras

14h30 – La Land: Cantando Estações

17h00 – Paterson

19h00 – Divinas Divas

21h30 – Moonlight: Sob a Luz do Luar

Dia 19/4 – Quinta

14h30 – Corpo Elétrico

17h00 – A Garota Desconhecida

19h00 – Toni Erdmann

Dia 20/4 – Sexta

14h30 – Bingo: O Rei das Manhãs

17h00 – Eu, Daniel Blake

19h00 – Paterson

21h30 – Blade Runner: O Caçador de Androides

Dia 21 – Sábado

14h30 – Contatos Imediatos de Terceiro Grau

17h00 – Corra!

19h00 – Meu Corpo é Político

21h30 – Corpo e Alma

Dia 22/4 – Domingo

11h00 – Meu Malvado Favorito 3

14h30 – No Intenso Agora

17h00 – Com Amor, Van Gogh

19h00 – Como Nosso Pais

21h30 – Uma Mulher Fantástica

Dia 24/4 – Terça

14h30 – Dunkirk

17h00 – A Glória e a Graça

Dia 25 – Quarta

19h00 – Juventude Transviada

21h30 – Poesia Sem Fim

Sobre o Festival

O Festival Sesc Melhores Filmes está em sua 44ª edição, sendo o mais antigo e um dos mais tradicionais festivais de São Paulo. Criado em 1974, o festival oferece oportunidade ao público de ver ou rever o que passou de mais significativo pelas telas da cidade no ano anterior ao evento, a preços populares e com atenção à acessibilidade. Os filmes são escolhidos democraticamente por meio de votação, esta dividida entre público e júri especializado, composto por críticos e jornalistas de todo o Brasil. Participaram da votação desta edição 415 filmes, sendo 121 nacionais (75 ficcionais e 46 documentários) e 294 internacionais. Um outro diferencial do Festival é a itinerância: várias unidades do Sesc espalhadas pelo estado de São Paulo recebem exibições dos filmes participantes. O Festival Sesc Melhores Filmes preza por uma política de preços e acessibilidade que amplia a participação do público.

[AGENDA]

44º Festival Sesc Melhores Filmes

Data de realização: até 25 de abril de 2018

Local: CineSesc – Rua Augusta, 2075, bairro Cerqueira César, São Paulo – SP

Recursos inclusivos: audiodescrição e legendas Open Caption.

Mais informações: melhoresfilmes.sescsp.org.br

Paixão de Cristo de Piracicaba ganha sessões com audiodescrição

A cidade é a responsável por uma das mais tradicionais encenações da Paixão de Cristo do interior de São Paulo. As sessões com AD acontecerão nos dias 25 e 26

22 de março de 2018 – A Iguale Comunicação de Acessibilidade é a responsável em produzir o recurso de audiodescrição da 29ª edição da “Paixão de Cristo” de Piracicaba, cidade localizada a aproximadamente 160 quilômetros da capital paulista. O evento que narra os últimos dias de Jesus Cristo na Terra, e antecede a Páscoa, é um dos mais tradicionais do interior do estado e acontece no Engenho Central, cartão postal de Piracicaba, localizado às margens do rio que dá nome à cidade.

Descrição da imagem #pracegover: imagem oficial e colorida de divulgação do evento “Paixão de Cristo de Piracicaba”. O cartaz é ilustrado pela pintura de Zvonimir Atletic. A figura de Jesus Cristo carrega uma cruz de madeira no ombro direito enquanto estende a mão esquerda sobre a cabeça de duas mulheres e uma criança que estão prostradas à sua frente. Ele tem a pele clara, barba loira e cabelos compridos, também loiros. Veste uma túnica branca com um tecido vermelho escuro transpassado ao longo do corpo. Na cabeça contornada por uma aura amarela, carrega a coroa de espinhos. Seu tronco está levemente curvado e a expressão em seu rosto é de obstinação. Outros personagens ao fundo compõem a cena: um jovem de costas para Cristo; quatro homens barbados e com túnicas; uma mulher com uma criança. No topo, com letras brancas, está escrito “Ministério da Cultura, Secretaria de Estado da Cultura, Secretaria Municipal De Ação Cultural e Turismo e Grupo Guarantã apresentam: Paixão de Cristo de Piracicaba 2018”. “Paixão de Cristo” está destacado com letras maiores e na cor laranja. No lado direito da imagem com letras pretas sobre fundo branco estão as informações de serviço: De 25/03 a 1/04 de 2018, às 20 horas no Engenho Central. Apresentações com audiodescrição: 25 e 26/03. Reserve seu ingresso: [email protected] No canto superior direito está o logotipo da Iguale.

As sessões com o recurso acessível de audiodescrição, feito pela equipe de profissionais da Iguale, acontecerão no domingo, dia 25, e na segunda-feira, dia 26, com início às 20h. A Paixão de Cristo, no entanto, acontecerá até o dia 1º de abril. O diretor da Iguale, Maurício Santana, informa que estão sendo distribuídos ingressos gratuitos para pessoas com deficiência visual e um acompanhante. Os interessados precisam fazer a reserva, antecipadamente, pelo e-mail: [email protected].

A Audiodescrição

Com o recurso de audiodescrição, o espetáculo proporciona autonomia aos espectadores com deficiência visual que terão melhor entendimento do conteúdo não verbal das cenas. No caso da Paixão de Cristo, a audiodescrição narra o máximo de detalhes de tudo o que acontece em cena, para que o público com deficiência visual, usando fones de ouvido, compreenda a apresentação com mais detalhes.

Sobre a Paixão de Cristo

A Associação Cultural e Teatral Guarantã é a responsável pela realização da Paixão de Cristo de Piracicaba. O evento é uma correalização da Prefeitura de Piracicaba, Semac Tur, Associação Cultural e Teatral Guarantã. Já a realização é do Governo do Estado de São Paulo, Ministério da Cultura e Governo Federal.

[AGENDA]

29ª edição da Paixão de Cristo de Piracicaba

Local: Engenho Central em Piracicaba – São Paulo

Horário: 20h

Recurso de audiodescrição: Iguale Comunicação de Acessibilidade | Roteiro e narração: Leo Rossi | Assistente: Marcos Paulo | Consultor: Paulo Monte Alegre | Produção: Miriam Morales

Os ingressos à venda no endereço: www.diverteingressos.com

 

Iguale apoia 12º Festival Internacional de Cinema Feminino

Evento exibe 64 produções de 18 países no Centro Cultural Banco do Brasil

Até a próxima segunda-feira, dia 18 de dezembro, acontece a 12ª edição do Festival Internacional de Cinema Feminino – FEMINA no Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro. O festival este ano exibe 64 produções, muitas inéditas no Brasil, de 18 países. O evento é realizado pelo Instituto de Cultura e Cidadania Femina desde 2004 e se dedica a exibir longas, médias e curtas-metragens dirigidos por mulheres e/ou com temática feminina. O evento é considerado o primeiro do gênero no Brasil e na América Latina.

Todas as sessões e seminários terão entrada franca (com distribuição de senhas uma hora antes de cada sessão), os organizadores do evento calculam atrair cerca de 1,5 mil pessoas. O evento conta com o apoio da Iguale Comunicação de Acessibilidade, que terá a responsabilidade de produzir para um dos filmes vencedor, os recursos de audiodescrição, legendas e LIBRAS.

Segundo os organizadores, todos os anos, o FEMINA realiza uma homenagem a uma personalidade feminina do cinema nacional. Este ano o evento terá três homenageadas: a cineasta Sandra Werneck, a produtora Vania Catani, e atriz Laura Cardoso.  Com a curadoria de Paula Alves e Eduardo Cerveira, o festival busca valorizar a participação da mulher no cinema, na arte e na cultura, estimular jovens diretoras, incentivar a produção de filmes com protagonismo feminino e debater questões de gênero, assim como ampliar a participação profissional da mulher no cinema e a conscientização da sociedade sobre a igualdade de gênero.

O evento promove também o Seminário FEMINA, de 13 a 15 de dezembro, das 13h às16h30, com a participação de diretoras e pesquisadores, debatendo com o público o tema Feminismos, Cinema e Interseccionalidade: diálogos e estratégias de resistências, trazendo filmes que dialogam com esta questão. São eles: “Historiografia” de Amanda Pó, “Autopsia” de Mariana Barreiros, “Estado Itinerante” de Ana Carolina Soares, “O mais barulhento silêncio” de Marcela Moreno, “A boneca e o silêncio”de Carol Rodrigues e “Quem matou Eloá?” de Livia Perez.  Os temas abordados no seminário serão: “Curadoria e Crítica como espaços políticos”; “Sobre poder e violência: apagamentos, assédios e a cultura do estupro” e, por último, “Debates em torno das violências contra as mulheres e o feminicídio”.

As inscrições podem ser feitas através do site www.feminafest.com.br, a entrada é gratuita e quem participar dos 3 dias de seminário recebe um certificado de participação.

Destaques

Entre os dias 13 e 18, o festival acontece no CCBB RJ, com as tradicionais mostras competitivas “Internacional e Nacional” e sessões especiais divididas em “Programa infantil” (com curtas-metragens de animação e ficção para o público infanto-juveni), dois programas “Dividindo a conta” (com filmes codirigidos por homens e mulheres), Programa experimental (com filmes experimentais dirigidos por mulheres), sessão “Eu gosto é de mulher” (com filmes dirigidos por mulheres com temática lésbica).

Alguns destaques da Competição Internacional são os longas-metragens “Horizontes”, de Eileen Hofer (Suíça), “El placer es mio”, de Elisa Miller (México), “Childhood”, de Margreth Olin (Noruega), “Mala junta”, de Claudia Huaiquimilla (Chile) e Pano de Limpeza, de Ahu Öztürk (Turquia).

Da Competição Brasileira, destacam-se os longas “A Moça do Calendário” (SP), de Helena Ignez, o premiado “Baronesa” (MG), de Juliana Antunes (Troféu Aurora na Mostra Tiradentes desse ano), “Para Ter Onde Ir”, de Jorane Castro, uma produção do Pará, “Com o terceiro olho na terra profanação”, de Catu Rizo (RJ) e o longa que fará sua pre-estreia no Femina, “Pela janela”, de Caroline Leone.

Fora de competição, os curadores destacam a exibição do filme “Tekoha – som da terra”, de Valdelice Veron (Xamiri Nhupoty) e Rodrigo Arajeju – no Programa Dividindo a Conta I, no dia 17, às 13 – Valdelice Veron é Kaiowa, e será a primeira vez que o Femina exibirá um filme de uma cineasta indígena.

[Agenda]

FEMINA – Festival Internacional de Cinema Feminino

Local: CCBB RJ – Rua Primeiro de Março, 66 – Centro (21) 3808.2020

Datas: de 13 a 18 de dezembro de 2017

Horários: Consultar programação (sessões às 13h, 15h, 17h e 19h)

Entrada franca – Com distribuição de senhas 1h antes de cada sessão

Lotação: 98 lugares (mais 4  para cadeirantes)

Classificação: Consultar programação (desde livres – como o programa infantil, 12, 14 e 16 anos)

Acesso para pessoas com deficiência: sim

Recursos acessíveis: Iguale Comunicação de Acessibilidade

Sesc Pinheiros apresenta teatro infantil com audiodescrição

Além do recurso de audiodescrição, feito pela Iguale, o espetáculo terá interpretação em LIBRAS

São Paulo, 30 de novembro de 2017 –  No próximo domingo, 3 de dezembro, o Sesc Pinheiros, em São Paulo, apresenta o espetáculo infantil “Operetinha do sapato falador”, da Cia D’Alma, contendo o recurso de audiodescrição produzido pela Iguale Comunicação de Acessibilidade. A apresentação é parte da Semana Inclusiva 2017, promovida pelo Sesc Pinheiros, em comemoração ao Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, celebrado no dia 3.

 Sobre o espetáculo

 É baseado em uma história escocesa sobre a vida de Lino, um doceiro muito hábil e talentoso, que herdou uma doceria de seu pai, com quem aprendeu o ofício. A doceria é seu ganha-pão, mas, por preguiça e avareza, ele não é muito bem-visto na vizinhança e as pessoas têm medo dele, da sua grosseria. As crianças não entram na sua loja, o que é quase uma heresia. Já viu uma criança não querer um bolinho? E assim era a vida de Lino, até o dia em que um lindo par de sapatos faz a sua rotina virar de cabeça pra baixo.

[Agenda]

Espetáculo “Operetinha do sapato falador” da Cia D’Alma

Duração: 60 minutos

Local: Auditório do SESC Pinheiros (Rua Pais Leme, 195 – Pinheiros – 3º andar).

Data: Domingo – dia 3 de dezembro

Horário: 17h

Recurso de audiodescrição: Iguale Comunicação de Acessibilidade

Outras informações:

Entrada gratuita para crianças até 12 anos de idade, retirar ingressos no local.

Ingressos gratuitos para pessoas com deficiência visual e um acompanhante. Quantidade limitada. Os interessados devem fazer a confirmação da presença pelo e-mail: [email protected]. Favor chegar com uma hora de antecedência para a retirada dos ingressos na bilheteria.

Como chegar: O SESC Pinheiros fica a 350 metros da Estação Faria Lima da Linha 4 – Amarela do Metrô e da Estação Pinheiros da Linha 9 – Esmeralda da CPTM/ Linha 4 – Amarela do Metrô.

 

Sesc Santana promove seminário sobre acessibilidade com audiodescrição, LIBRAS e estenotipia

Os recursos inclusivos serão produzidos ao vivo pela equipe de profissionais da Iguale e parceiros

São Paulo, 27 de novembro de 2017 – Nos dias 29 e 30 de novembro no Sesc Santana, em São Paulo, a Iguale Comunicação de Acessibilidade será a responsável pela produção dos recursos de audiodescrição e LIBRAS para o “Seminário Modos de Acessar: Deficiência e Cidadania”, organizado dentro das atividades que marcam o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, comemorado em 3 de dezembro.

O Seminário, que também contará com o recurso de estenotipia, discutirá a acessibilidade atitudinal e a sua importância para o pleno exercício da cidadania das pessoas com deficiência. Segundo o Sesc Santana, o evento terá como objetivo debater as barreiras sociais e culturais ainda presentes na experiência de acessibilidade do indivíduo nas cidades e sociedades. As discussões acontecerão por meio painéis temáticos, com a exposição de boas práticas sobre o tema nos aspectos da cultura, mobilidade e educação.

Ainda de acordo com o Sesc Santana, o seminário pretende contribuir com a reflexão do panorama contemporâneo da acessibilidade às pessoas com e sem deficiências nos espaços socioculturais. Com vagas limitadas, e preços de ingressos que vão de R$ 18 a R$ 60, o seminário tem como público-alvo gestores e educadores de instituições culturais, agentes públicos e interessados na inclusão, educação e acessibilidade.

Sobre os recursos de acessibilidade comunicacional que estarão à disposição da plateia ao longo dos dois dias do evento, Mauricio Santana, diretor da Iguale, explica que ambos irão auxiliar as pessoas com deficiência a ter melhor compreensão não só das falas dos convidados e mediadores dos painéis, mas do contexto como um todo, proporcionando inclusão com autonomia.

[AGENDA]

Programação

29/11 – Quarta-feira:  

Credenciamento (Área de Convivência – Térreo): 9h30.

Abertura (Teatro – 1º subsolo): 

 10h30 – Prof. Danilo Santos de Miranda (Fala institucional).

11h – Prof. Dr. Ney Wendell – Université du Québec à Montréal (Palestra magna).

 Almoço: 12h30.

Conferências (Teatro – 1º subsolo): 

14h – Painel Mobilidade: Valmir (Biomob), Cid Torquato (Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência – SMPED) e Eliete Mariani (Metrô de São Paulo). Mediação de Lília Ladislau (Sesc).

 Intervalo: 16h.

Conferências (Teatro – 1º subsolo): 

16h30 – Painel Educação: Aline Santos (Plataforma Diversa – Instituto Rodrigo Mendes), Prof. Dra. Rosângela Gavioli Prieto (USP) e Eliana Cunha de Lima (Fundação Dorina Nowill). Mediação de Diogo de Moraes (Sesc).

Programação Cultural:  

18h30 – Jam de Danceability.

 30/11 – Quinta-feira:  

Credenciamento (Área de Convivência – Térreo): 9h30.

Conferências (Teatro – 1º subsolo):

10h30 – Painel Cultura: Prof. Dra. Amanda Tojal (ArteInclusão), Daina Leyton (MAM) e Prof. Dr. Eduardo Cardoso (UFRGS). Mediação da Prof. Dra. Lúcia Helena Reily (Unicamp).

Almoço: 12h30.

Conferências (Teatro – 1º subsolo): 

14h – Relatos de Experiências: Cíntia Alves (Cia Grão de Teatro), Séfora Tognolo (Sesc Bertioga) e Karen Montija (Centro Cultural Banco do Brasil – CCBB).

Intervalo: 16h.

Performance (Teatro – 1º subsolo):

16h30 – Mesa Performática: Estela Lapponi, Billy Saga, Marcos Abranches, Pericles Silveira e Nando Bolognesi. Mediação de Paula Lopez.

Encerramento: 18h.

Programação Cultural:

18h30 – Cadeira: Falando Sem Tabu.

Recursos acessíveis de audiodescrição e tradução em Libras: Iguale Comunicação de Acessibilidade

Vagas limitadasInscrições no portal: sescsp.org.br