Espetáculo infantil ‘Haroun e o Mar de Histórias’ terá sessão com LIBRAS

O mês das crianças chega com novidades no Sesc Consolação, em São Paulo. Na terça-feira, dia 2, na sessão das 15h30, o espetáculo infantil ‘Haroun e o Mar de Histórias’ terá LIBRAS, recurso voltado à pessoa com deficiência auditiva. A Iguale Comunicação de Acessibilidade é quem assina a produção do recurso acessível.

Segundo Maurício Santana, diretor da Iguale, é sempre muito gratificante quando um cliente, como é o caso do Sesc Consolação, aciona a Iguale para produzir os recursos de acessibilidade para espetáculos e obras audiovisuais. Neste caso, especificamente, o recurso selecionado foi a LIBRAS, que requer o trabalho de um tradutor-intérprete.

“A Língua Brasileira de Sinais é uma língua de modalidade gestual visual. Realizada por um tradutor-intérprete é muito bem aplicada para eventos de diferentes naturezas, como o teatro, e permite à pessoa com deficiência auditiva, que conhece a LIBRAS, entender as falas e demais sons do espetáculo”, explica o diretor da Iguale.

O espetáculo infantil conta a história do menino Haroun, que junto ao Gênio da Água, cruzará o mar de histórias para salvar o pai e todas as histórias do mundo.

Sinopse

A história conta a saga do menino Haroun, de dez anos, filho de Rashid Khalifa, um renomado contador de histórias, que perde o dom da palavra ao passar por uma grande perda em sua vida. Haroun descobre que todas as histórias nascem no grande Mar dos Fios de Histórias, que foi poluído por um vilão que odeia a palavra. Cabe então a Haroun, junto do Gênio da Água, cruzar o mar de histórias para salvar o pai e todas as histórias do mundo.

Ficha Técnica
‘Haroun e o Mar de Histórias’ (livre adaptação da obra homônima Salman Rushdie)
Direção: Carla Candiotto
Adaptação e Dramaturgia: Victor Nóvoa
Elenco: Daniel Costa, Fábio Espósito e Gúryva Portela
Stand-in: Henrique Stroeter
Assistente de Direção: Rita Carelli
Cenografia: Amanda de Stefani
Iluminação: Wagner Freire
Trilha Sonora: Ricardo Herz
Figurinos: Gúryva Portela
Ilustração: Java Araújo
Fotos: Maria Fanchin
Técnica de Iluminação: Fernanda Guedella
Produção Executiva: Pedro de Freitas
Distribuição: Périplo Produções
Idealização e Coordenação de Produção: Gúryva Portela – Cia Vúrdon de Teatro Itinerante

AGENDA
Espetáculo: espetáculo infantil ‘Haroun e o Mar de Histórias’

Local: Sesc Consolação

Data: 2 de outubro (terça-feira)

Horário: 15h30

Endereço: Rua Dr. Vila Nova, 245, Vila Buarque – São Paulo Próximo às estações República, Anhangabaú e Higienópolis-Mackenzie do metrô.

BH recebe ‘Chacrinha, o Musical’ com recursos acessíveis produzidos pela Iguale

24 de setembro de 2015 – A capital mineira recebe de 25 a 27 de setembro, no Grande Teatro do Palácio das Artes, o espetáculo que homenageia um dos maiores comunicadores do rádio e da TV brasileira: Chacrinha, O Musical. E mais uma vez a Iguale estará empenhada em realizar, com qualidade e profissionalismo, os recursos acessíveis de audiodescrição e LIBRAS, como já fez em São Paulo e no Rio de Janeiro.

A sessão com acessibilidade acontece no domingo, dia 27, às 19h. O público de Belo Horizonte e quem estiver de visita à cidade não pode perder esta oportunidade. Há ingressos gratuitos e exclusivos para pessoas com deficiência. As reservas podem ser feitas pelo e-mail eventos@iguale.com.br ou pelo telefone (11) 2597.5805, durante o horário comercial, até esta sexta, dia 25. Os ingressos são limitados.

Descrição da foto de de divulgação: o ator Stepan Nercessian é mostrado da cintura para cima, caracterizado como o “Velho Guerreiro”. Sorrindo expressivamente, ele tem a mão direita levantada na altura do rosto, com as pontas dos dedos polegar e indicador unidos e os outros três dedos levantados, em um gesto conhecido como “OK”, marca registrada de Chacrinha durante as apresentações do programa de TV. Ele veste um fraque vermelho que tem uma grande flor amarela de folhas verdes, presa do lado esquerdo do peito. Também usa um colete laranja e uma enorme gravata borboleta verde, tudo confeccionado com lantejoulas e muito brilho. Sobre os cabelos brancos, volumosos e encaracolados, uma cartola vermelha, também de lantejoulas, com plumas amarelas e verdes. Chacrinha usa óculos de grau de armação preta e grossa e tem um microfone de mão pendurado por um suporte na altura do peito, além de uma buzina dourada na altura da barriga, presa por uma corrente, também dourada e comprida, que desce do pescoço.
Descrição da foto de de divulgação: o ator Stepan Nercessian é mostrado da cintura para cima, caracterizado como o “Velho Guerreiro”. Sorrindo expressivamente, ele tem a mão direita levantada na altura do rosto, com as pontas dos dedos polegar e indicador unidos e os outros três dedos levantados, em um gesto conhecido como “OK”, marca registrada de Chacrinha durante as apresentações do programa de TV. Ele veste um fraque vermelho que tem uma grande flor amarela de folhas verdes, presa do lado esquerdo do peito. Também usa um colete laranja e uma enorme gravata borboleta verde, tudo confeccionado com lantejoulas e muito brilho. Sobre os cabelos brancos, volumosos e encaracolados, uma cartola vermelha, também de lantejoulas, com plumas amarelas e verdes. Chacrinha usa óculos de grau de armação preta e grossa e tem um microfone de mão pendurado por um suporte na altura do peito, além de uma buzina dourada na altura da barriga, presa por uma corrente, também dourada e comprida, que desce do pescoço.

Sobre o espetáculo:

Com texto de Pedro Bial e Rodrigo Nogueira, o musical acompanha a trajetória do apresentador Abelardo Barbosa desde sua infância em Surubim, Pernambuco, até o auge da carreira na TV Globo, onde comandava o programa de auditório Cassino do Chacrinha, com espaço para as chacretes, seus famosos trocadilhos, buzinadas e o troféu abacaxi.

O público confere dois atos no espetáculo: um espaço para episódios biográficos, como a infância difícil de Chacrinha com a morte do pai e um segundo momento mais lírico e fantasioso, marcado pelo seu ingresso no rádio e revolução na televisão nacional, que promoveu certa obsessão e autoritarismo por parte do apresentador.