Arquivo da tag: cinema

‘Porta dos Fundos – Contrato Vitalício’ estreia nos cinemas com recursos acessíveis no app MovieReading

A produção da audiodescrição, legendas e Libras é da Iguale Comunicação de Acessibilidade, resultado da parceria com a ETC Filmes

São Paulo, Julho de 2016 – Mais um filme nacional estreia nos cinemas de todo o Brasil com os recursos de acessibilidade produzidos pela Iguale e disponibilizados gratuitamente no aplicativo MovieReading. A conquista é fruto da parceria com a primeiro longa-metragem do coletivo de humor liderado pelo ator e roteirista Fábio Porchat, chega às salas de cinema para divertir e também contribuir com a inclusão do público com deficiência às obras audiovisuais.

Como explica Mauricio Santana, diretor da Iguale, ao decidir pela produção dos recursos de audiodescrição, legendas e LIBRAS, os responsáveis pela produção e distribuição do filme ‘Porta dos Fundos – Contrato Vitalício’ contribuem para que a pessoa com deficiência compreenda com mais riqueza de detalhes as situações contidas no filme, muitas vezes imperceptíveis a quem, por exemplo, tem deficiência visual ou auditiva. E esta é uma grande contribuição, já que ao os recursos disponibilizados no MovieReading têm acesso gratuito. “O aplicativo não depende de rede Wi-fi, por isso pode ser acessado em todas as salas de cinema onde o filme for exibido, em todo o Brasil”, acrescenta Santana.

Descrição da imagem ‪#‎pracegover‬: a imagem é uma montagem dos personagens principais do filme “Contrato Vitalício” em diversas situações que ocorrem no longa-metragem. O cenário é um set de filmagem onde há luzes, cenários e câmeras. Os protagonistas Rodrigo e Miguel estão mais à frente. Rodrigo, vivido por Fábio Porchat, usa terno escuro, é alto, magro e loiro. Ele acena com a mão esquerda enquanto segura uma coroa de louros dourada com a direita. Miguel, interpretado por Gregório Duvivier, usa roupas mais despojadas e óculos fundo de garrafa. Ele tem cabelo liso e comprido e barba espessa.  Ao fundo estão: um homem gordo acorrentado; uma loira sentada com um cigarro apagado entre os dedos; um homem calvo, vestido com um avental sangrento e uma chave de boca na mão; um homem de óculos de aros grossos, que segura um celular com as duas mãos; uma loira de cabelos compridos usando roupa de guerreira amazona; um homem forte segurando uma mangueira de onde sai um líquido marrom; um rapaz com trejeitos afeminados e um homem vestido de alienígena, com capacete, óculos escuros, bigode grande e capa.  Logo abaixo dessas imagens estão as informações:  “Porta dos Fundos – Contrato Vitalício”  30 de Junho nos cinemas.  Com acessibilidade através do app MovieReading Brasil: Audiodescrição, LIBRAS e legendas acessíveis. A Iguale Comunicação de Acessibilidade é a representante exclusiva do app MovieReading no Brasil e na América do Sul. Logo e endereço eletrônico: www.moviereadingbrasil.com.br

Descrição da imagem ‪#‎pracegover‬: a imagem é uma montagem dos personagens principais do filme “Contrato Vitalício” em diversas situações que ocorrem no longa-metragem.
O cenário é um set de filmagem onde há luzes, cenários e câmeras. Os protagonistas Rodrigo e Miguel estão mais à frente. Rodrigo, vivido por Fábio Porchat, usa terno escuro, é alto, magro e loiro. Ele acena com a mão esquerda enquanto segura uma coroa de louros dourada com a direita. Miguel, interpretado por Gregório Duvivier, usa roupas mais despojadas e óculos fundo de garrafa. Ele tem cabelo liso e comprido e barba espessa.
Ao fundo estão: um homem gordo acorrentado; uma loira sentada com um cigarro apagado entre os dedos; um homem calvo, vestido com um avental sangrento e uma chave de boca na mão; um homem de óculos de aros grossos, que segura um celular com as duas mãos; uma loira de cabelos compridos usando roupa de guerreira amazona; um homem forte segurando uma mangueira de onde sai um líquido marrom; um rapaz com trejeitos afeminados e um homem vestido de alienígena, com capacete, óculos escuros, bigode grande e capa.
Logo abaixo dessas imagens estão as informações:
“Porta dos Fundos – Contrato Vitalício”
30 de Junho nos cinemas.
Com acessibilidade através do app MovieReading Brasil: Audiodescrição, LIBRAS e legendas acessíveis.
A Iguale Comunicação de Acessibilidade é a representante exclusiva do app MovieReading no Brasil e na América do Sul.
Logo e endereço eletrônico: www.moviereadingbrasil.com.br

Ao baixar o app MovieReading em smatphones e tablets, o usuário pode acionar legendas, LIBRAS e audiodescrição que serão sincronizadas, em tempo real ao filme, através do reconhecimento de áudio. Para usar o app com o recurso da audiodescrição, é necessário ter fones de ouvido conectados ao aparelho. O MovieReading sincroniza os arquivos de acessibilidade com o som do filme em exibição através do reconhecimento do áudio, portanto uma dica é ter cuidado para não obstruir a captação do microfone do celular ou tablet. O microfone é o mesmo que transmite a voz para outra pessoa em uma ligação telefônica.

Sinopse

Miguel (Gregório Duvivier) e Rodrigo (Fábio Porchat) são dois amigos que costumam realizar filmes juntos. Certa ocasião, um de seus filmes ganha um prêmio importante em um festival internacional. Animados com a premiação, os dois saem para comemorar e Rodrigo assina, em um guardanapo de bar, um contrato vitalício que garante que ele estaria em todos os filmes de Miguel dali para frente. No entanto, Miguel desaparece e só retorna dez anos depois. Quando reaparece, ele leva para Rodrigo, agora um ator consagrado, a proposta de um filme insano que pode destruir sua carreira.

Ficha Técnica

Direção: Ian SBF

Roteiro: Fábio Porchat e Gabriel Esteves

Elenco: Gregório Duvivier, Fábio Porchat, Antonio Tabet, João Vicente de Castro, Luis Lobianco, Thati Lopes, Marcos Veras, Júlia Rabello e outras participações.

Duração: 100m

Gênero: comédia

Recursos acessíveis: Iguale Comunicação de Acessibilidade

Sobre a Iguale

A Iguale Comunicação de Acessibilidade é a primeira empresa do Brasil criada exclusivamente para pensar e desenvolver soluções assistivas completas em comunicação para pessoas com algum tipo de deficiência. Fundada em 2008, em São Paulo, pelo publicitário, professor universitário e empresário Mauricio Santana, a empresa é precursora do conceito de comunicação de acessibilidade no país. Entre os recursos que a empresa disponibiliza ao mercado estão a audiodescrição, as legendas descritivas (closed caption e open caption), LIBRAS, voice over, acessibilidade web e participação efetiva em muitos projetos com foco em acessibilidade. A Iguale também é a responsável no Brasil e na América do Sul pelo aplicativo MovieReading.

Mais informações

Liliana Liberato

Assessora de Imprensa

Iguale Comunicação de Acessibilidade

imprensa@iguale.com.br

(11) 9 7999-2802

Cinema acessível com MovieReading

Junho de 2016 - O filme “Porta dos Fundos – Contrato Vitalício” estreia nos cinemas colocando à disposição do público com deficiência os recursos acessíveis de audiodescrição, legendas e LIBRAS produzidos pela Iguale.

“Porta dos Fundos – Contrato Vitalício” é mais um título assinado pela parceria Iguale Comunicação de Acessibilidade e ETC Filmes.

Vamos TODOS ao cinema!!

MRposterContratoVitalicio

Descrição da imagem #pracegover: a imagem é uma montagem dos personagens principais do filme “Contrato Vitalício” em diversas situações que ocorrem no longa-metragem, que tem 1h47 de duração. O cenário é um set de filmagem onde há luzes, cenários e câmeras. Os protagonistas Rodrigo e Miguel estão mais à frente. Rodrigo, vivido por Fábio Porchat, usa terno escuro, é alto, magro e loiro. Ele acena com a mão esquerda enquanto segura uma coroa de louros dourada com a direita. Miguel, interpretado por Gregório Duvivier, usa roupas mais despojadas e óculos fundo de garrafa. Ele tem cabelo liso e comprido e barba espessa.

Ao fundo estão: um homem gordo acorrentado; uma loira sentada com um cigarro apagado entre os dedos; um homem calvo, vestido com um avental sangrento e uma chave de boca na mão; um homem de óculos de aros grossos, que segura um celular com as duas mãos; uma loira de cabelos compridos usando roupa de guerreira amazona; um homem forte segurando uma mangueira de onde sai um líquido marrom; um rapaz com trejeitos afeminados e um homem vestido    de alienígena, com capacete, óculos escuros, bigode grande e capa.

Logo abaixo dessas imagens estão as informações:

“Porta dos Fundos – Contrato Vitalício”

30 de Junho nos cinemas.

Com acessibilidade através do app MovieReading Brasil: Audiodescrição, LIBRAS e legendas acessíveis.

A Iguale Comunicação de Acessibilidade é a representante exclusiva do app MovieReading no Brasil e na América do Sul.

Logo e endereço eletrônico: www.moviereadingbrasil.com.br

Curta vencedor do Filmworks Film Festival receberá recursos de acessibilidade produzidos pela Iguale

O festival – criado há sete anos pela AIC – reúne o que há de melhor na área de cinema; o filme vencedor na edição 2016 receberá os recursos inclusivos como parte da premiação

7 de junho de 2016 - Como apoiadora do cinema inclusivo no Brasil, a Iguale Comunicação de Acessibilidade terá a responsabilidade de produzir para o curta-metragem vencedor do Filmworks Film Festival 2016, os recursos acessíveis de audiodescrição, legendas e LIBRAS. Realizado há sete anos pela Academia Internacional de Cinema (AIC) o festival reúne o que há de mais atual no cenário cinematográfico brasileiro.

Filmworks Film Festival acontecerá dias 10 e 11 de junho no Reserva Cultural em São Paulo. Nestes dois dias, 28 filmes selecionados concorrerão em seis categorias: Melhor Filme, Júri Popular, Prêmio Atualidade, New Vision, Melhor Atriz e Melhor Ator. O evento será aberto ao público e terá entrada gratuita.

Descrição da imagem #PraCegoVer: em um retângulo de fundo preto, do lado esquerdo da imagem, há uma coruja estilizada, em tom dourado, apoiada sobre um galho. Ao lado da coruja está em número ordinal 7°, também dourado, um pouco mais à direita do retângulo, está escrito Filmworks Film Festival, em cores branca e dourada.

Descrição da imagem #PraCegoVer: em um retângulo de fundo preto, do lado esquerdo da imagem, há uma coruja estilizada, em tom dourado, apoiada sobre um galho. Ao lado da coruja está em número ordinal 7°, também dourado, um pouco mais à direita do retângulo, está escrito Filmworks Film Festival, em cores branca e dourada.

No primeiro dia serão exibidos 19 filmes, divididos em duas sessões, uma começando às 9h e a outra às 11h. No segundo dia serão exibidos nove filmes, divididos em duas sessões, uma às 9h e outra às 10h10. A programação do segundo dia terá ainda a cerimônia da premiação.

“Para a Iguale, sem dúvida, é uma honra poder produzir e disponibilizar, como apoiadora deste importante festival, os recursos que fazem a diferença na vida das pessoas com deficiência visual, auditiva e intelectual”, comemora o diretor da Iguale, Mauricio Santana.

Para a AIC, ensinar a fazer cinema está longe de ser uma tarefa fácil, por isso está permanentemente se atualizando para oferecer uma formação abrangente e sólida que busque somar positivamente ao produtivo cenário contemporâneo.

“O Filmworks Film Festival é o lugar em que podemos ver os talentos que emergem de um dos cursos mais importantes e prestigiados da AIC, o Filmworks”, diz Steven Richter, sócio fundador da Academia Internacional de Cinema.

Confira a programação no endereço: www.aicinema.com.br/filmworks-film-festival-2016

Agenda

Filmworks Film Festival

Data: 10 e 11 de junho de 2016

Horário: de 9h às 12h30

Premiação: sábado às 11h20

Local: Reserva Cultural

Endereço: Avenida Paulista, 900 – Bela Vista, São Paulo – SP

Evento aberto ao público e gratuito

Sobre a Iguale

A Iguale Comunicação de Acessibilidade é a primeira empresa do Brasil criada exclusivamente para pensar e desenvolver soluções assistivas completas em comunicação para pessoas com algum tipo de deficiência. Fundada em 2008, em São Paulo, pelo publicitário, professor universitário e empresário Mauricio Santana, a empresa é precursora do conceito de comunicação de acessibilidade no país. Entre os recursos que a empresa disponibiliza ao mercado estão a audiodescrição, as legendas descritivas (closed caption e open caption), LIBRAS, voice over, acessibilidade web e participação efetiva em muitos projetos com foco em acessibilidade.

Mais informações:

 Liliana Liberato

Assessora de Imprensa

Iguale Comunicação de Acessibilidade

imprensa@iguale.com.br

(11) 9 7999-2802

 

 

 

Programação do CineSesc e Itaú Cultural, em São Paulo, será contemplada com o recurso acessível da audiodescrição

A responsabilidade do roteiro e das descrições dos detalhes de cada uma das cenas dos filmes e das demais atrações é da Iguale

11 de dezembro de 2015 – Neste sábado, dia 12, e domingo, dia 19, a Iguale Comunicação de Acessibilidade produzirá o recurso de audiodescrição (AD) para os filmes Amigos e Permanência, em cartaz no CineSesc, em São Paulo. Também este fim de semana, os profissionais da Iguale farão AD para quase toda a programação do || Entre|| Arte e Acesso, ciclo sobre acessibilidade nos campos da arte e da cultura, promovido pelo Itaú Cultural e o British Council, também na capital paulista.

Os filmes Amigos e Permanência serão exibidos com AD durante a programação da Retrospectiva do Cinema Brasileiro 2015. Trata-se de uma seleção de 54 filmes brasileiros lançados entre novembro de 2014 e outubro de 2015, com curadoria de Flávia Guerra, Sérgio Alpendre, Paulo Santos Lima e da Equipe do CineSesc. O filme Amigos estará em cartaz no dia 12, às 17h. Permanência será exibido dia 19, também às 17h.

Já o || Entre|| Arte e Acesso ocorre até domingo, dia 13, no próprio Itaú Cultural. Fazem parte das atividades: palestras, debates, espetáculos e oficina, com interpretação na Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) e AD, sendo que a produção deste recurso ficará por conta da Iguale. Confira a programação e saiba como participar acessando: www.itaucultural.org.br.

Segundo Mauricio Santana, diretor da Iguale, a audiodescrição descreve por intermédio de um profissional denominado audiodescritor, todas as informações visuais de uma obra audiovisual, um impresso, uma fotografia ou outras manifestações culturais e comunicacionais; transformando em som, o texto, detalhes dos conteúdos visuais, expressões e gestos, além de cenário, figurino e outros acontecimentos de uma cena, por exemplo.

Semana Inclusiva: Iguale faz legendas Open Caption para filme ‘Pelo Malo’ em cartaz no Sesc Santo Amaro

Dezembro de 2015 – O filme Pelo Malo, em cartaz nesta quarta-feira, dia 2 de dezembro, no Sesc Santo Amaro, em São Paulo, será exibido com legendas Open Caption produzidas pela Iguale Comunicação de Acessibilidade. A sessão de cinema acessível faz parte da Semana Inclusiva do Sesc São Paulo – evento integrante da Virada Inclusiva promovida pela Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Estado de São Paulo (SEDPcD).

 Semana Inclusiva

A Semana Inclusiva, que acontece de 1 a 6 de dezembro, reúne uma série de atividades que incentivam o protagonismo das pessoas com deficiência, criando condições para sua inclusão em todos os aspectos – cultural, esportivo, educativo e cidadão. O evento contará com oficinas, espetáculos, atividades esportivas, palestras e vivências, dentre outras atividades, para participação conjunta de pessoas com e sem deficiência nas unidades do Sesc na capital, no interior e no litoral do Estado de São Paulo.

Sinopse

Junior é um menino de nove anos que tem “cabelo ruim”. Ele quer alisá-lo para sua foto no álbum de formatura para ficar parecido com um cantor famoso. Isso o faz entrar em conflito com a mãe, Marta. Quanto mais Júnior tenta melhorar o visual pelo amor da mãe, mais ela o rejeita. Até que ele é encurralado, cara a cara, com uma decisão dolorosa. Vencedor da Concha de Ouro de Melhor Filme no Festival de San Sebastião (Espanha).

Ficha técnica

Direção: Mariana Rondón

Duração: 95 min

Legenda em Português – Espanha, 2013

Recurso acessível de Open Caption: Iguale Comunicação de Acessibilidade

Agenda:

Filme: Pelo Malo

Local: Teatro Sesc Santo Amaro (1º andar)

Data: 2 de dezembro de 2015 (quarta-feira)

Horário: 19h

Endereço: Rua Amador Bueno, 541-559, Santo Amaro – São Paulo –SP.

 

 

Filme ‘Mulheres no Poder’ estreia com recursos de acessibilidade através ao app MovieReading

O aplicativo, lançado no Brasil pela Iguale, permite a inserção dos recursos de acessibilidade às produções audiovisuais beneficiando pessoas com deficiência intelectual, visual e auditiva

25 de agosto de 2015 – Nesta terça-feira acontece em Brasília a pré-estreia do filme Mulheres no Poder que terá os recursos inclusivos de audiodescrição, legendas e de LIBRAS disponíveis por meio do aplicativo MovieReading.

Segundo os organizadores, pessoas com todos os tipos de deficiência estão convidadas a participar da pré-estreia que acontecerá às 21h em duas salas do shopping Iguatemi Brasília. É fundamental fazer a reserva com antecedência, por isso os interessados devem solicitar o convite pelo e-mail lavoroprod@hotmail.com.

Em parceria com a Lavoro Produções, a Iguale Comunicação de Acessibilidade é a responsável pela produção e aplicação dos recursos de acessibilidade no app MovieReading. Como explica Mauricio Santana, diretor da Iguale, o download do aplicativo é gratuito para IOS e Android. Depois de instalado no celular ou tablet é só o usuário baixar o arquivo referente ao recurso que necessitar para assistir ao filme em tempo real ao exibido na tela do cinema.

Descrição do cartaz (divulgação): foto de pernas femininas vistas de costas em primeiro plano, ao fundo vê-se o prédio do Congresso Nacional.

Descrição do cartaz (divulgação): foto de pernas femininas vistas de costas em primeiro plano, ao fundo vê-se o prédio do Congresso Nacional.

Para usar o app com o recurso da audiodescrição, é necessário ter fones de ouvido conectados ao seu dispositivo mobile. O MovieReading consegue sincronizar os arquivos de acessibilidade com o som do filme em exibição através do reconhecimento do áudio, portanto uma dica é tomar cuidado para não obstruir a captação do microfone de seu celular ou tablet. Este microfone é o mesmo que transmite sua voz para outra pessoa quando está numa ligação telefônica. O app poderá ser experimentado em todas as salas de cinema onde o filme estiver em cartaz. A Iguale é a responsável no Brasil e na América Latina pelo aplicativo MovieReading.

Sobre o Filme

Apostando no riso como uma forma de manifestar indignação, a comédia Mulheres no Poder, longa-metragem escrito e dirigido por Gustavo Acioli, narra uma manobra montada pela senadora Maria Pilar (Dira Paes) e pela ministra Ivone Feitosa (Stella Miranda) para fraudar uma concorrência pública. O lobby das duas políticas começa a enfrentar dificuldades quando as assessoras de ambas as autoridades decidem montar um esquema próprio, alheio às intenções de suas empregadoras.

Maria Pilar é uma jovem e carismática senadora, reverenciada em sua terra natal. Em meio à vida palaciana de Brasília, ela articula seus esquemas com charme e bom humor. Características muito diferentes das que compõem a personalidade da ministra Ivone Feitosa. Mais experiente e habituada com os traquejos da política, Ivone delega muitas responsabilidades à sua assessora. É a partir da tramoia elaborada por Ivone e Pilar para burlar a licitação do projeto “Brasil Brasileira” que os meandros da corrupção começam a ser revelados de maneira divertida.

Elenco

Dira Paes (Senadora Maria Pilar)

Stella Miranda (Ministra Ivone Feitosa)

Milena Contrucci Jamel (Madalena)

Gabrielle Lopez (Laila)

João Velho (George)

Paulo Tiefenthaler (Stefan)

Susana Ribeiro (Virgínia Baby)

Roberto Maia (Alberto Baby)

Participações especiais

Totia Meireles

Rogéria

Chica Xavier

Elisa Lucinda

Graciela Pozzobon

Camilo Bevilacqua

Ficha Técnica

Escrito e Dirigido por Gustavo Acioli

Produção: Lavoro Produções

Produtora: Lara Pozzobon

Produção Executiva: Lara Pozzobon Luiz Alberto Gentile

Direção de Fotografia: Pablo Baião e Pablo Hoffmann

Direção de Arte: Elsa Romero e Júlia Pina

Figurino: João De Freitas Henriques

Maquiagem: Evelyn Barbieri

Montagem: Luiz Guimarães De Castro

Desenho de Som e Mixagem: Ricardo Cutz

Som Direto: Rodrigo Maia

Trilha Sonora: Lucas Marcier e Fabiano Krieger

Direção de Produção: Ciça Bertoche

Produção Brasília: Cor Filmes

Pós-Produção de Imagem: Afinal Filmes

Abertura e Créditos Finais: Bruno Ribeiro

Coprodução: Afinal Filmes e Canal Brasil

Distribuição: Downtown Filmes e Paris Filmes

Patrocínio: Petrobrás, Klabin, Inagro, Barudan e Fundo Setorial do Audiovisual (FSA).

MovieReading (acessibilidade): Iguale Comunicação de Acessibilidade

Descrição do cartaz (divulgação): foto de pernas femininas vistas de costas em primeiro plano, ao fundo vê-se o prédio do Congresso Nacional.

Revisão cognitiva e consultoria de audiodescrição são diferenciais na Comunicação de Acessibilidade

Como empresa especializada em Comunicação de Acessibilidade, a Iguale cuida de todas as etapas do desenvolvimento dos recursos acessíveis, incluindo a revisão antes de apresenta-los aos clientes

13 de abril de 2015 - Viabilizar o desenvolvimento e a produção de recursos inclusivos, na Comunicação de Acessibilidade, para permitir o acesso ao conteúdo exibido pelos meios de comunicação e de cultura, nas suas mais diferentes manifestações, às pessoas com deficiência visual, auditiva e intelectual, tem sido um trabalho cada vez mais recorrente no mercado brasileiro. Agências, produtoras e empresas dos mais diferentes segmentos têm buscado esses recursos para ampliar a efetividade das suas marcas, produtos e serviços a um público ávido por informações assertivas. Entretanto, os recursos inclusivos não só exigem especialização e conhecimento por parte dos seus desenvolvedores, como também precisam ser avaliados quanto à eficiência e qualidade. Porque tão importante quanto viabilizá-los, é apresentar um conteúdo que comunique com riqueza de informações e detalhes, permitindo a desejada autonomia.

Por isso, antes de detalhar o que é a revisão cognitiva de audiodescrição, Mauricio Santana, diretor da Iguale Comunicação de Acessibilidade, explica para quais recursos a revisão é fundamental para a excelência do produto final. São eles: a LIBRAS (Linguagem Brasileira de Sinais), as legendas open caption e closed caption, a audiodescrição e a acessibilidade web. Tanto a LIBRAS quanto as legendas atendem as necessidade das pessoas com deficiência auditiva. Já a audiodescrição, que compreende a tradução audiovisual intersemiótica (do visual para o verbal) de cenas e outros elementos de uma obra audiovisual, é feita para a pessoa com deficiência visual e intelectual. E a acessibilidade web, por sua vez, atende a todos os públicos, já que providenciar uma programação diferenciada para portais e websites pode oferecer uma experiência ainda mais rica, tanto na usabilidade quanto na navegabilidade dos mesmos.

E para que todos estes recursos atendam a contento o público para o qual se destinam, a revisão cognitiva é fundamental. Como explica Paulo Augusto Colaço Monte Alegre, consultor e revisor cognitivo de audiodescrição da Iguale, além da revisão gramatical e de estilo literário, entre outros elementos relacionados à linguagem, a revisão de audiodescrição considera o ponto de vista da pessoa com deficiência visual, ao respeitar uma série de aspectos. “Uma pessoa com visão normal pode imaginar que tais explicações são claras para um deficiente visual, quando não são, especialmente dada a diversidade de tipos de deficiência visual e idades que ocorrem, perfis culturais e educacionais, dentre outros fatores”, esclarece.

Monte Alegre, que é cego e que profissionalmente especializou-se como consultor e revisor de recursos inclusivos, explica que o profissional desta área, especialmente o revisor de audiodescrição, deve conhecer a diversidade do público com deficiência visual. Deve considerar as pessoas com baixa visão, as que perderam a visão e possuem memória das cores, as diferentes formações educacionais e assim por diante. Deve também ter formação cultural adequada ao conteúdo revisto. Conhecer cinema se revisa um filme; conhecer Literatura se revisa ilustrações de uma obra literária; conhecer temas das Ciências Exatas se revisa gráficos, organogramas, e assim por diante. É preciso ainda ter habilidades para o uso de linguagens sintéticas, sem ambiguidades e de estilo afinado à obra original.

Quando questionado sobre a principal diferença entre um projeto com revisão e outro que não possui, Monte Alegre afirma que o sem revisão tende a ignorar uma infinidade de detalhes que geralmente só são perceptíveis por alguém que conhece a deficiência visual na experiência cotidiana: nas atividades diárias, na escola, no trabalho, nos momentos de lazer, no contato com diversas mídias, entre outras.

Monte Alegre conta ainda que quase todos os tipos de projetos que envolvem informação visual podem ser descritos, como por exemplo, as imagens em produtos audiovisuais, fotos, desenhos, pinturas, esculturas, obras arquitetônicas em livros, revistas, ou em espaços expositivos. Uma das principais carências de audiodescrição e outras adaptações acessíveis é, hoje, segundo o especialista, nos materiais didáticos para crianças, jovens e adultos.

No mercado desde 2008, como empresa pioneira em Comunicação de Acessibilidade no país, a Iguale revisa criteriosamente cada um dos projetos dos seus clientes. Entre os mais recentes, Monte Alegre destaca a “biografia musical” retratando a vida e a obra da cantora Elis Regina para o espetáculo Elis A Musical. “Foi um trabalho importante e desafiador, porque a obra possuía elementos cênicos muito diversos, como dança, representações de programas de televisão, e por isso exigiu que a audiodescrição fosse ainda mais sintética para não atrapalhar a experiência musical da plateia e não suprimir informações essenciais”, relata. Outro trabalho prazeroso para a equipe da Iguale foi a aplicação dos recursos acessíveis no material da campanha Incluir Brincando, produzido pela TV Cultura e Vila Sésamo. “Inclusivo, divertido e que também exigiu enorme poder de síntese”, ressalta o revisor.

Paulo Monte Alegre é especialista em revisão cognitiva da Iguale

Paulo Monte Alegre é especialista em revisão cognitiva da Iguale

Descrição da foto: O consultor e revisor de audiodescrição da Iguale Comunicação de Acessibilidade, Paulo Monte Alegre, está em uma das salas da Iguale, sentado em frente a uma mesa de vidro, na qual estão alguns objetos e equipamentos: a bengala branca dobrada, um notebook, o monitor de vídeo sobre um aparelho reprodutor de DVD e caixas de som. Um roteiro de audiodescrição está aberto na tela do computador e um filme está sendo exibido no monitor atrás do consultor. Paulo tem 47 anos, é magro, de pele branca e cabelos curtos e pretos. Usa uma blusa de frio azul. Ele tem os lábios contraídos e o pescoço levemente esticado, sugerindo estar dizendo algo no momento em que a foto foi registrada.

Sobre a Iguale Comunicação de Acessibilidade

A Iguale Comunicação de Acessibilidade é a primeira empresa do Brasil criada exclusivamente para pensar e desenvolver soluções assistivas completas em comunicação para pessoas com algum tipo de deficiência. Fundada em 2008, em São Paulo, pelo publicitário, professor universitário e empresário Mauricio Santana, a empresa é precursora do conceito de Comunicação de Acessibilidade do país. Entre os recursos que a empresa disponibiliza ao mercado estão a audiodescrição, as legendas closed caption e open caption, LIBRAS, Voice Over, Acessibilidade Web e participação efetiva em muitos projetos com foco em acessibilidade.

Para saber mais acesse: www.iguale.com.br

Liliana Liberato

Assessora de Imprensa

Iguale Comunicação de Acessibilidade

imprensa@iguale.com.br

(11) 9 7999-2802

Sesc Santana exibe filme ‘Central do Brasil’ com audiodescrição e open caption

São Paulo, 2 de dezembro de 2013 – O Sesc Santana, em São Paulo, exibe nesta terça-feira, dia 3 de dezembro, às 20h, o filme Central do Brasil, com os recursos inclusivos de audiodescrição (AD) e legendas open caption produzidos pela Iguale Comunicação de Acessibilidade.

A audiodescrição permitirá que pessoas com deficiência visual ou baixa visão compreendam com riqueza de detalhes, informações do filme exclusivamente visuais, traduzidas e narradas ao vivo, para o verbal. Já as legendas open caption, apresentarão as indicações do áudio original do filme (diálogos, ruídos, trilhas, etc), para que a pessoa com deficiência auditiva tenha um melhor entendimento de tudo o que se passa na obra.

Esta sessão com os recursos inclusivos faz parte das atividades do Sesc Santana, dentro da 4ª edição da Virada Inclusiva, promovida pela Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, entre os dias 30 de novembro, 1 e 3 de dezembro, em todo o estado de São Paulo. Para saber mais acesse: viradainclusiva.sedpcd.sp.gov.br.

Sinopse: Dora escreve cartas na Central do Brasil. Josué, um garoto de nove anos, perde a mãe, atropelada. Do encontro dos dois, nasce uma viagem ao interior do Nordeste, em busca do pai que Josué não conheceu.

Elenco: Fernanda Montenegro e Vinicius de Oliveira

Direção: Walter Salles

Agenda:

Filme com audiodescrição e open caption

Local: Sesc Santana – São Paulo

Data: 3 de dezembro de 2013

Horário: 20h

Audiodescrição e legendas open caption: Iguale Comunicação de Acessibilidade

Sábado tem reapresentação do filme ‘Os Contos da Noite’ com audiodescrição e legendas Open Caption no CineSesc

São Paulo, 16 de outubro de 2013 – O CineSesc, em São Paulo, promove novamente neste sábado, dia 19, ainda em comemoração ao Dia das Crianças, nova sessão de cinema especial e gratuita para o público infantil. Com audiodescrição e legendas open caption feitos pela Iguale Comunicação de Acessibilidade, o filme “Os Contos da Noite”, em 3D, será novamente exibido para animar o sábado da garotada. A sessão terá início às 13h. Para a retirada do ingresso é preciso chegar ao local com 1 hora de antecedência.

Agenda:

Cinema Acessível – Especial Dia das Crianças

Data: 19 de outubro de 2013, às 13h

Filme: Os Contos da Noite (3D)

Realização: CineSesc

Endereço: Rua Augusta, 2077, São Paulo.

Recursos acessíveis: Iguale Comunicação de Acessibilidade

Sinopse:

Os Contos da Noite (3D)

Todas as noites, uma menina, um menino, e um velho técnico se reúnem em um pequeno cinema. Embora o lugar pareça abandonado, ele é cheio de magia. Os três amigos pesquisam, inventam, desenham e se vestem como diversos personagens e, a cada noite, encenam uma história, uma fantasia. Há bruxas e fadas, reis poderosos, lobisomens, belas e cruéis mulheres, catedrais e cabanas de palha, cidades de ouro e florestas escuras. Eles se sentem vivendo uma noite mágica em que tudo é possível.

Para mais informações acesse aqui!

DVDs e Blu-rays com audiodescrição aproximam crianças com deficiência visual do mundo lúdico dos filmes infantis

Quando produzidos com este recurso inclusivo, permitem que o conteúdo audiovisual seja de fato compreendido pela criança com deficiência visual

São Paulo, 11 de outubro de 2013 – Como é conhecimento, crianças com deficiência visual aprendem a ler com a ajuda do Braile; sistema de leitura com tato para cegos. Mas e no caso dos filmes? Como conseguem compreender com o máximo de detalhes o que se passa em uma história cinematográfica? Essa questão já foi resolvida com a ajuda da audiodescrição (AD), recurso que traduz do visual para o verbal os cenários, as ações, os figurinos, dentre outros elementos que não fazem parte dos diálogos das personagens. O que falta, no entanto, é a sua inserção ainda no processo de confecção dos DVDs e Blu-rays, para que cheguem às lojas já contendo este benefício à disposição da pessoa com deficiência visual.

Para Bianca Chaló, mãe de uma menininha de apenas quatro anos com deficiência visual, encontrar DVDs e Blu-rays com audiodescrição à venda, seja pela Internet, seja em lojas físicas, é algo muito difícil. Moradora de Bauru, Bianca diz que desde que passou a procurar por filmes infantis com audiodescrição encontrou bem poucos. Atualmente possui apenas quatro, sendo três deles da Turma da Mônica. “Antes de conviver com a deficiência visual eu desconhecida a existência deste recurso inclusivo tão importante para a pessoa com deficiência ter acesso ao conteúdo audiovisual de modo mais completo. No entanto, desde que eu soube da existência da audiodescrição, passei a buscar filmes que contenham o recurso e dificilmente encontro, pois são poucos os que saem com ele das distribuidoras”, relata.

Nicole

Segundo Bianca, a quase inexistente inserção do recurso de audiodescrição nos filmes infantis torna o acesso ao conteúdo, tanto por parte da sua filha, quanto do público infantil, de um modo geral, preocupante. “A Nicole adora assistir filmes com o irmão que não tem a deficiência, mas muitas vezes se recusa porque não consegue entender o contexto da obra devido a falta do recurso na maioria deles. Quando o DVD não tem a audiodescrição eu fico do lado, tentando descrever o que se passa, mas isso nem sempre é possível porque tenho que cuidar das tarefas da casa, e quando isso ocorre ela fica triste, se recusa”, conta a mãe.

 Linguagem & palavras

Além da escassez de filmes com AD, Bianca já notou alguns cuidados que devem conter os filmes com o recurso. Um, que considera muito importante, é a contextualização da história antes do início da exibição; uma introdução, para ajudar a criança entender do que trata o enredo do filme. Outro ponto é o cuidado com a linguagem e a escolha das palavras, principalmente para crianças até cinco anos. Segundo Paulo Romeu, responsável pelo Blog da Audiodescrição e militante pela acessibilidade da pessoa com deficiência visual, há diferenças no desenvolvimento da audiodescrição infantil e adulto, começando pela entonação da narração e a elaboração de um roteiro apropriado. “A narração tem de ser mais interpretada, com entonação apropriada ao público infantil. A linguagem precisa ser adequada à faixa etária e o ritmo deve fluir de acordo com o contexto do filme”, explica Paulo Romeu.

Atualmente no mercado nacional existem poucos filmes produzidos para o público infantil já com audiodescrição. Um exemplo dele é o Smurfs, lançado em agosto de 2011, pela Sony Pictures, com roteiro de audiodescrição da Iguale Comunicação de Acessibilidade. Outros também lançados com este recurso, no Brasil, foram: A Turma da Mônica, Muppts, Tá Chovendo Hambúrguer, Hotel Transilvânia, Castelo Ra-tim-bum e Matilda. No entanto, o número de filmes comercializados nos formados DVDs e Blu-rays para a criançada é muito pequeno diante da grande produção de obras cinematográficas lançadas todos os anos, em todo o mundo.

Ainda segundo Paulo Romeu, 90% dos filmes distribuídos no Brasil vêm dos EUA e cerca de 30% deles vêm com audiodescrição, mas não em português, o que os tornam também pouco acessíveis. “O ideal é que venham com a audiodescrição já em Língua Portuguesa”, ressalta. Bianca pretende engrossar a luta das pessoas com deficiência por seus direitos e um dos temas que faz questão de colocar na pauta é o da audiodescrição nos filmes infantis. “Eu acredito que os novos filmes já deveriam sair de fábrica com a audiodescrição. Ao deixarem de incluí-los, acabam excluindo as demais pessoas com deficiência visual de ter acesso ao conteúdo de suas obras, o que é injusto”, opina a mãe da pequena Nicole.

Mais informações:

Liliana Liberato

Assessora de Imprensa

(11) 9 7999-2802

imprensa@iguale.com.br