Arquivo da tag: audiodescrição

Sábado tem espetáculo com audiodescrição em São Paulo

23 de maio de 2017 - “Vianinha conta o último combate do homem comum” é o próximo espetáculo da IV Mostra Petrobras Premmia de Teatro, que acontece na capital paulista, no fim de semana dos dias 27 e 28 de maio. 

Descrição da imagem #pracegover: Imagem horizontal e colorida de um homem vestido de palhaço, provando um molde de roupa. Ele tem cabelo castanho cacheado estilo black power e barba rala. Usa blusa vermelha de mangas compridas com uma outra, preta com bolinhas brancas, cobrindo-lhe o peito. O molde é feito de papel branco e transparente, ficando a frente de seu corpo. As bochechas do homem estão pintadas de vermelho e abaixo do lábio inferior há dois riscos brancos e grossos, descendo em direção ao queixo. Ele usa nariz redondo e vermelho de palhaço, preso por um elástico. As mãos estão apoiadas na lateral da cabeça. Sua testa está franzida e as sobrancelhas grossas, arqueadas.  Ele sorri enquanto olha para frente. Do lado direito da imagem, uma mulher de pele clara, cabelo castanho escuro e óculos está de perfil. Ela usa brinco prateado de argola e blusa branca. Está em um nível inferior ao homem, como se estivesse sentada. Suas mãos estão apoiadas na lateral do corpo dele, parecendo medir o molde. 

Descrição da imagem #pracegover: Imagem horizontal e colorida de um homem vestido de palhaço, provando um molde de roupa. Ele tem cabelo castanho cacheado estilo black power e barba rala. Usa blusa vermelha de mangas compridas com uma outra, preta com bolinhas brancas, cobrindo-lhe o peito. O molde é feito de papel branco e transparente, ficando a frente de seu corpo. As bochechas do homem estão pintadas de vermelho e abaixo do lábio inferior há dois riscos brancos e grossos, descendo em direção ao queixo. Ele usa nariz redondo e vermelho de palhaço, preso por um elástico. As mãos estão apoiadas na lateral da cabeça. Sua testa está franzida e as sobrancelhas grossas, arqueadas.  Ele sorri enquanto olha para frente.
Do lado direito da imagem, uma mulher de pele clara, cabelo castanho escuro e óculos está de perfil. Ela usa brinco prateado de argola e blusa branca. Está em um nível inferior ao homem, como se estivesse sentada. Suas mãos estão apoiadas na lateral do corpo dele, parecendo medir o molde.

Sinopse: O casal de idosos Souza e Lu reúne os filhos em um almoço de domingo em sua casa em Miguel Pereira, onde os filhos foram criados, para dar-lhes a notícia de que terão que deixar a casa que viveram boa parte de suas vidas.  Após o falecimento do proprietário do imóvel, os herdeiros decidiram reajustar o aluguel para um valor incompatível com a aposentadoria de um funcionário público. Tentando ganhar tempo para uma solução definitiva, os filhos decidem separar os pais temporariamente: Souza vai passar um tempo com a filha em São Paulo e Lu fica com o filho no Rio. A filha que teria a situação financeira melhor, promete que vai conversar com o marido, mas antecipa que ele não concordou nem mesmo ter a própria mãe em casa. O tempo vai passando e a triste solução é separar o casal, no fim de sua vida. Souza vai morar com a filha Mariazinha em Brasília e Lu fica no Rio em um asilo, pois não a espaço para ele na casa dos filhos.

Agenda da sessão com audiodescrição:

Data: 27 de maio de 2017.

Horário: 21h

Recurso inclusivo: audiodescrição

Local:  Auditório Ibirapuera – Oscar Niemeyer (Avenida Pedro Álvares Cabral, s/nº – Parque do Ibirapuera)

Duração: 120min

Ingressos cortesia:

Há ingressos para pessoas com deficiência visual e um acompanhante. Interessados, por favor, confirmar presença, o mais breve possível, pelo e-mail: eventos@iguale.com.br 

A organização da Mostra fornecerá transporte gratuito de ida e volta para o público com deficiência. A van sairá da estação Santa Cruz do metrô e levará até o auditório.  Ao fim do espetáculo, fará o caminho de volta até a estação.

 Para mais informações sobre a mostra acesse: www.mostradeteatro.com.br

IV Mostra Petrobras Premmia de Teatro prossegue em maio com ‘Vianinha conta o Último Combate do Homem Comum’

No elenco Isío Ghelmam, Ana Barrosos e Ana Veloso. Nos meses de junho e julho subirão ao palco da mostra nomes como Débora Falabella, Yara de Novaes e Françoise Forton

8 de maio de 2017 – A IV Mostra Petrobras Premmia de Teatro prossegue com o espetáculo ‘Vianinha conta o Último Combate do Homem Comum’, no fim de semana dos dias 27 e 28 de maio. Excepcionalmente no sábado, às 21h, a apresentação contará com o know how da Iguale Comunicação de Acessibilidade na produção do recurso de audiodescrição ao vivo. Repleta de espetáculos de muita qualidade, a mostra acontece no Auditório do Ibirapuera, em São Paulo, até o mês de julho.

Com a audiodescrição, o espetáculo proporciona autonomia aos espectadores com deficiência visual que têm melhor entendimento do conteúdo não verbal. Segundo o diretor da Iguale, Mauricio Santana, em um espetáculo teatral, por exemplo, a audiodescrição –considerada um modo de tradução audiovisual intersemiótica (do visual para o verbal) – narra através ou pela voz de um audiodescritor, o máximo de detalhes de tudo o que acontece nos atos, sem o qual a pessoa com deficiência visual não compreenderia.

#pracegover: a imagem retangular, com cor de fundo verde escuro, em formato que simula um ticket, contendo nas extremidades bordas na cor branca, compõe o logotipo da IV Mostra Petrobras Premmia de Teatro. Este nome está escrito entre as máscaras que são o símbolo do teatro. Do lado esquerdo, a máscara com a expressão triste, representando a tragédia, e do lado direito, a máscara com a expressão feliz, representando a comédia. As máscaras também estão na cor branca, assim como o nome da mostra.

#pracegover: a imagem retangular, com cor de fundo verde escuro, em formato que simula um ticket, contendo nas extremidades bordas na cor branca, compõe o logotipo da IV Mostra Petrobras Premmia de Teatro. Este nome está escrito entre as máscaras que são o símbolo do teatro. Do lado esquerdo, a máscara com a expressão triste, representando a tragédia, e do lado direito, a máscara com a expressão feliz, representando a comédia. As máscaras também estão na cor branca, assim como o nome da mostra.

A audiodescrição interage de acordo com os espaços oferecidos entre os diálogos dos personagens, respeitando o roteiro original, as intenções de pausas, ruídos sonoros e trilhas. “É um recurso que promove acesso e autonomia às pessoas com deficiência visual, por isso é tão importante para a inclusão da pessoa com deficiência”, completa o diretor da Iguale.

Fazem parte da Mostra, espetáculos de qualidade, produzidos por companhias, grupos e produtores independentes, que circularam pelos mais variados pontos do país, durante o Programa Petrobras Distribuidora de Cultura 2015/2016. Segundo os realizadores, a Mostra, cuja realização se dá em parceria com o Auditório Ibirapuera – Oscar Niemeyer e o Itaú Cultural, leva o público a um painel da produção teatral contemporânea a preços populares, com ingressos a R$ 20, e apresentações sempre aos sábados e domingos.

Até o momento já subiram ao palco do Auditório Ibirapuera os espetáculos O Duelo, Rádio Variété, Trágica.3 e Conselho de Classe. E nos meses de junho e julho entrarão em cartaz: Contrações, BR TRANS e Nós Sempre Teremos Paris.

AGENDA

IV Mostra Petrobras Premmia de Teatro

MAIO – 27 e 28 – Vianinha conta o Último Combate do Homem Comum

Elenco: Alexandre David, Ana Barrosos e Ana Veloso e elenco

Direção: Aderbal Freire-Filho

JUNHO – 17 e 18 – Contrações

Elenco:  Debora Falabella e Yara de Novaes

Direção: Grace Passô

JUNHO – 24 e 25 – BR TRANS

Elenco: Silvero Pereira

Direção: Jezebel De Carli

JULHO – 01 e 02 – Nós Sempre Teremos Paris

Elenco: Françoise Forton e Mauricio Baduh, texto de Artur Xexéu

Direção: Jacqueline Laurence

Mais informações: www.mostradeteatro.com.br

Sábado tem ‘Conselho de Classe’ com audiodescrição na IV Mostra Petrobras Premmia de Teatro

O espetáculo é um dos que integram a mostra que acontece no Auditório do Ibirapuera

18 de abril de 2017 – A IV Mostra Petrobras Premmia de Teatro prossegue este fim de semana no Auditório do Ibirapuera, em São Paulo, com recursos de acessibilidade. No sábado, dia 22, especificamente, a sessão do espetáculo ‘Conselho de Classe’ terá o recurso de audiodescrição, ao vivo, produzido pela Iguale Comunicação de Acessibilidade.

Como explica Mauricio Santana, diretor da Iguale, com a audiodescrição o espetáculo proporcionará mais autonomia aos espectadores com deficiência visual que passam a ter melhor entendimento do conteúdo não verbal.

Descrição da imagem #pracegover: imagem horizontal e colorida de uma sala de aula com cinco homens em pé em frente à lousa. Da esquerda para a direita da imagem, o primeiro homem tem bigode, cavanhaque e cabelo pretos. Veste paletó, camisa, calça jeans e tênis. Ele segura uma apostila nas mãos e usa uma mochila nas costas. O segundo tem cabelo castanho. Veste camisa vinho, sapato marrom, colete de lã e calça bege. Na lousa, acima de sua cabeça está desenhado, com giz, uma tiara com duas hastes e círculos no topo, como antenas. Na mão direita segura uma pasta e uma caneta. O terceiro, de barba e óculos, veste uma camisa florida, bermuda, sandália e está com os braços cruzados. Ele usa uma bolsa tiracolo. Acima de sua cabeça, na lousa, estão desenhados dois chifres. O quarto homem, de barba e cabelos pretos, veste uma camiseta azul com duas listras pretas na vertical, calça azul marinho e tênis. Tem uma bola de basquete presa ao corpo pelo seu braço direito e do outro lado, uma pasta e uma mochila tiracolo; na lousa, em cima de sua cabeça, está desenhado uma coroa. O quinto homem, de bigode, cavanhaque e cabelo pretos, veste uma camiseta vermelha, calça bege e tênis. Ele também usa uma bolsa tiracolo; na lousa está desenhado uma asa e auréola de anjo.

Descrição da imagem #pracegover: imagem horizontal e colorida de uma sala de aula com cinco homens em pé em frente à lousa. Da esquerda para a direita da imagem, o primeiro homem tem bigode, cavanhaque e cabelo pretos. Veste paletó, camisa, calça jeans e tênis. Ele segura uma apostila nas mãos e usa uma mochila nas costas. O segundo tem cabelo castanho. Veste camisa vinho, sapato marrom, colete de lã e calça bege. Na lousa, acima de sua cabeça está desenhado, com giz, uma tiara com duas hastes e círculos no topo, como antenas. Na mão direita segura uma pasta e uma caneta. O terceiro, de barba e óculos, veste uma camisa florida, bermuda, sandália e está com os braços cruzados. Ele usa uma bolsa tiracolo. Acima de sua cabeça, na lousa, estão desenhados dois chifres.
O quarto homem, de barba e cabelos pretos, veste uma camiseta azul com duas listras pretas na vertical, calça azul marinho e tênis. Tem uma bola de basquete presa ao corpo pelo seu braço direito e do outro lado, uma pasta e uma mochila tiracolo; na lousa, em cima de sua cabeça, está desenhado uma coroa. O quinto homem, de bigode, cavanhaque e cabelo pretos, veste uma camiseta vermelha, calça bege e tênis. Ele também usa uma bolsa tiracolo; na lousa está desenhado uma asa e auréola de anjo.

Sobre o espetáculo

‘Conselho de Classe’ é o espetáculo comemorativo dos 25 anos da Cia dos Atores. Sucesso de público e crítica, com texto do dramaturgo Jô Bilac e direção de Bel Garcia e Susana Ribeiro, já foi visto por mais de 30 mil pessoas. Em 2014, a peça foi a grande vencedora do Prêmio Cesgranrio de Teatro (espetáculo, texto, direção e cenário) e uma das líderes em indicações aos Prêmios Shell (ganhando melhor cenário) e APTR (ganhando texto, direção e ator).

O espetáculo gira em torno de uma escola pública do Centro carioca e problematiza as questões macro e micropolíticas da educação. Em cena, uma reunião de professores é desestabilizada pela chegada de um novo diretor. Esse encontro faz eclodir dilemas éticos e pessoais em meio a decisões que se confundem nas relações de poder da instituição escolar. No elenco, estão os atores Cesar Augusto, Leonardo Netto, Marcelo Olinto, Paulo Verlings/João Rodrigo Ostrower e Thierry Trémouroux.

O texto faz uma abordagem realista do ambiente escolar, a fim de gerar um diálogo a respeito da educação no Brasil e da atual situação no mundo. Hoje, quem deseja trabalhar em uma escola pública? No hospital público? Se o professor é mal remunerado e trabalha sob condições difíceis, que tipo de sociedade está sendo construída?

Ficha técnica Conselho de Classe:

Texto: Jô Bilac

Direção: Bel Garcia e Susana Ribeiro

Assistência de Direção: Raquel André

Elenco: Cesar Augusto, Leonardo Netto, Marcelo Olinto, Paulo Verlings/João Rodrigo Ostrower e Thierry Trémouroux

Voz Off Vivian: Drica Moraes

Cenário: Aurora dos Campos

Figurinos: Rô Nascimento e Ticiana Passos

Iluminação: Maneco Quinderé

Trilha Original: Felipe Storino

Consultoria Pedagógica: Cléa Ferreira

Fotografia: Dalton Valério (cena) e Vicente de Mello (locação)

Direção de Produção: Tárik Puggina

Produção Executiva: Luísa Barros

Administração Financeira: Amanda Cezarina

Realização: Cia. dos Atores e Nevaxca Produções

Programação completa da mostra

22, 23 de Abril  – Conselho de Classe

aos sábados com audiodescrição Iguale e domingos interpretes em libras

Com Leonardo Netto, Marcelo Olinto, Lourival Prudêncio, João Rodrigo Ostrower, Thierry Trémouroux, Cesar Augusto, direção Bel Garcia e Susana Ribeiro

27, 28 de Maio – Vianinha conta o Último Combate do Homens Comum 
aos sábados com audiodescrição Iguale e domingos interpretes em libras

Com Alexandre David, Ana Barrosos e Ana Veloso e elenco, direção Aderbal Freire-Filho

17 e 18 de Junho – Contrações  
aos sábados com audiodescrição Iguale e domingos interpretes em libras

Com Debora Falabella e Yara de Novaes, direção de Grace Passô

24 e 25 de Junho – BR TRANS 
aos sábados com audiodescrição Iguale e domingos interpretes em libras

Com Silvero Pereira, direção Jezebel De Carli

01 e 02 de Julho – Nós Sempre Teremos Paris  
aos sábados com audiodescrição Iguale e domingos interpretes em libras

Com Françoise Forton e Mauricio Baduh, texto de Artur Xexéu, direção de Jacqueline Laurence

As apresentações acontecem no Auditório Ibirapuera, aos sábados 21h e domingo às 19h, com exceção do espetáculo Contrações que no sábado será às 16h.

Auditório Ibirapuera

Avenida Pedro Álvares Cabral, s/nº

Portão 2 – Parque Ibirapuera

Ingresso: inteira R$20,00 meia R$10,00

IV Mostra Petrobras Premmia de Teatro tem espetáculos contendo o recurso acessível de audiodescrição

O recurso estará disponível nas sessões dos oito espetáculos da programação, com o padrão de qualidade dos projetos assinados pela Iguale; a mostra acontecerá de fevereiro a julho

São Paulo, 9 de fevereiro de 2017 – O público com deficiência visual que aprecia espetáculos teatrais, principalmente quando os mesmos têm recursos de acessibilidade, não pode perder a IV Mostra Petrobras Premmia de Teatro, que acontece entre fevereiro e julho, no Auditório do Ibirapuera, em São Paulo. Com os recursos de audiodescrição produzidos pela Iguale Comunicação de Acessibilidade, os espetáculos proporcionarão mais autonomia aos espectadores que, por sua vez, terão melhor entendimento do conteúdo não verbal de cada uma das peças em cartaz.

Fazem parte da Mostra espetáculos de qualidade, produzidos por companhias, grupos e produtores independentes, que circularam pelos mais variados pontos do país, durante o Programa Petrobras Distribuidora de Cultura 2015/2016. Segundo os realizadores, a Mostra, cuja realização se dá em parceria com o Auditório Ibirapuera – Oscar Niemeyer e o Itaú Cultural, contará com oito espetáculos, que levarão ao público um painel da produção teatral contemporânea a preços populares, com ingressos a R$ 20, e apresentações aos sábados e domingos.

As peças que serão exibidas na IV Mostra Petrobras Premmia de Teatro, contendo o recurso de audiodescrição realizado pela Iguale são: O Duelo, Rádio Variété, Trágica.3, Conselho de Classe, Vianinha conta o Último Combate do Homens Comum, Contrações, BR TRANS e Nós Sempre Teremos Paris. No elenco destes espetáculos, estão nomes como Camila Pitanga, Denise Del Vecchio, Leticia Sabatella, Debora Falabella e Françoise Forton.

Como explica o diretor da Iguale, Mauricio Santana, em um espetáculo teatral, a audiodescrição, que pode ser considerada um modo de tradução audiovisual intersemiótica (do visual para o verbal), narra através ou pela voz de um audiodescritor, o máximo de detalhes de tudo o que acontece nos atos, sem os quais uma pessoa com deficiência visual não compreenderia com autonomia o espetáculo.

Mauricio revela ainda que a audiodescrição interage de acordo com os espaços oferecidos entre os diálogos dos personagens, respeitando o roteiro original, as intenções de pausas, ruídos sonoros e trilhas. “É um recurso que promove acesso e autonomia às pessoas com deficiência visual”, completa.

 Programação geral e elenco da Mostra

11 e 12 de Fevereiro – O Duelo

Com Camila Pitanga, Aury Porto, Carol Badra e elenco, direção Georgette Fadel

 18 e 19 de Fevereiro – Rádio Variété

Com Fernando Sampaio, Fernando Paz e Felipe Bregantim, direção Fernando Sampaio

25 e 26 de Março – Trágica.3

Com Denise Del Vecchio, Leticia Sabatella, Miwa Yanagizawa, Fernando Alves Pinto e Marcelo H., direção Guilherme Leme

22, 23 de Abril – Conselho de Classe

Com Leonardo Netto, Marcelo Olinto, Lourival Prudêncio, João Rodrigo Ostrower, Thierry Trémouroux, Cesar Augusto, direção Bel Garcia e Susana Ribeiro

27, 28 de Maio – Vianinha conta o Último Combate do Homens Comum

Com Alexandre David, Ana Barrosos e Ana Veloso e elenco, direção Aderbal Freire-Filho

17 e 18 de Junho – Contrações

Com Debora Falabella e Yara de Novaes, direção de Grace Passô

24 e 25 de Junho – BR TRANS

Com Silvero Pereira, direção Jezebel De Carli

01 e 02 de Julho – Nós Sempre Teremos Paris

Com Françoise Forton e Mauricio Baduh, texto de Artur Xexéu, direção de Jacqueline Laurence

Mais informações: www.mostradeteatro.com.br

Espetáculo em cartaz no Sesc Bom Retiro terá sessão com acessibilidade neste domingo

LIBRAS e Audiodescrição serão os recursos produzidos pela Iguale Comunicação de Acessibilidade para esta peça teatral

2 de dezembro de 2016 – O espetáculo “Razão Social”, em cartaz no Sesc Bom Retiro, em São Paulo, terá uma sessão com os recursos acessíveis de LIBRAS e audiodescrição, neste domingo, dia 4 de dezembro, às 18h. Produzidos pela equipe da Iguale Comunicação de Acessibilidade, os recursos permitem que o público com deficiência visual e auditiva acompanhe com mais autonomia a peça teatral, tendo assim uma melhor compreensão da obra como um todo.

O recurso de audiodescrição, disponível no espetáculo, tem como objetivo facilitar o entendimento do conteúdo não verbal às pessoas com deficiência visual e intelectual, já que por meio dele, elas têm acesso a detalhes da obra como os elementos que compõem o cenário, o figurino, a fisionomia dos personagens e principalmente as ações, tudo por meio do som, das palavras oralizadas.

Descrição da imagem #pracegover: flyer de formato retangular e vertical com divulgação do espetáculo acessível “Razão Social”. Sobre fundo preto, o título em branco: “Sesc Bom Retiro e Iguale convidam: “Razão Social” com AD e LIBRAS”. Abaixo, uma foto colorida e horizontal com sete pessoas em um bar ao redor de uma mesa de madeira. Dois homens estão abaixados à frente da mesa, olhando para frente. Uma mulher e outros dois homens estão sentados do outro lado da mesa. Outros dois homens estão nas laterais da mesa, o da esquerda segura um violão e o da direita, um cavaquinho. Ao fundo, prateleiras repletas de garrafas de bebidas. Abaixo da foto, em letras brancas, a sinopse: “No espetáculo “Razão Social” o passado em que grandes sambistas escreveram seus nomes na história da música popular brasileira aparece como pano de fundo para outra discussão:  o golpe militar de 1964. Nesta peça o elenco cantará músicas do Cartola, Noel Rosa, Carlos Cachaça, Nelson Cavaquinho, Zé Ketti, Clementina de Jesus entre outros grandes sambistas da época. Tudo para celebrarmos o centenário do samba e ao mesmo tempo olharmos pra um passado recente do Brasil e suas feridas abertas”. Mais abaixo as informações: “Convites limitados. Interessados enviar e-mail para eventos@iguale.com.br até sexta-feira (2/12) às 17h. Data: 04/12/2016. Horário: 18hrs. Local: Sesc Bom Retiro – Alameda Nothmann, 185”.  Ao final, no canto inferior direito, está o logotipo da Iguale.

Descrição da imagem #pracegover: flyer de formato retangular e vertical com divulgação do espetáculo acessível “Razão Social”. Sobre fundo preto, o título em branco: “Sesc Bom Retiro e Iguale convidam: “Razão Social” com AD e LIBRAS”. Abaixo, uma foto colorida e horizontal com sete pessoas em um bar ao redor de uma mesa de madeira. Dois homens estão abaixados à frente da mesa, olhando para frente. Uma mulher e outros dois homens estão sentados do outro lado da mesa. Outros dois homens estão nas laterais da mesa, o da esquerda segura um violão e o da direita, um cavaquinho. Ao fundo, prateleiras repletas de garrafas de bebidas.
Abaixo da foto, em letras brancas, a sinopse: “No espetáculo “Razão Social” o passado em que grandes sambistas escreveram seus nomes na história da música popular brasileira aparece como pano de fundo para outra discussão: o golpe militar de 1964. Nesta peça o elenco cantará músicas do Cartola, Noel Rosa, Carlos Cachaça, Nelson Cavaquinho, Zé Ketti, Clementina de Jesus entre outros grandes sambistas da época. Tudo para celebrarmos o centenário do samba e ao mesmo tempo olharmos pra um passado recente do Brasil e suas feridas abertas”. Mais abaixo as informações: “Convites limitados. Interessados enviar e-mail para eventos@iguale.com.br até sexta-feira (2/12) às 17h. Data: 04/12/2016. Horário: 18hrs. Local: Sesc Bom Retiro – Alameda Nothmann, 185”.
Ao final, no canto inferior direito, está o logotipo da Iguale.

Já o recurso de LIBRAS – Língua Brasileira de Sinais permite que a pessoa com deficiência auditiva entenda as falas dos atores e demais sons que podem ter ao longo do espetáculo. A LIBRAS é uma língua de modalidade gestual visual, realizada por um tradutor-intérprete, e se aplica muito bem em eventos de diferentes naturezas.

Sinopse da peça

É madrugada do dia 31 de março para o 1 de abril de 1964, o dia do golpe. Sabino (Gero Camilo) um operário e Jucelino (Victor Mendes) um estudante fogem da polícia no centro do Rio de Janeiro e pulam pra dentro do Restaurante Zicartola. Zica (Fabiana Cozza) e Cartola (Adolfo Moura) preparam-se para dormir. Os barulhos: sirenes, os gritos e tiros que acontecem na rua, por vezes cortam o grande salão, trazendo medo e tensão aos moradores do bairro. E principalmente para os dois fugitivos.

No espetáculo “Razão Social” o passado em que grandes sambistas escreveram seus nomes na história da música popular brasileira aparece como pano de fundo para outra discussão:  o golpe militar de 1964. Nesta peça o elenco cantará músicas do Cartola, Noel Rosa, Carlos Cachaça, Nelson Cavaquinho, Zé Ketti, Clementina de Jesus entre outros grandes sambistas da época. Tudo para celebrarmos o centenário do samba e ao mesmo tempo olharmos pra um passado recente do Brasil e suas feridas abertas.

Ficha técnica

Texto e direção: Gero Camilo e Victor Mendes

Elenco:  Adolfo Moura, Fabiana Cozza, Gero Camilo e Victor Mendes

Músicos: Everson Pessoa (violão de 7 cordas), Gerson da banda (percussão) e Nino Miau (cavaco),

Cenotécnico: José Roberto Tomasim

Iluminador: João Blumenschein

Figurinos: Gero Camilo e Victor Mendes

Concepção de luz: João Blumenschein

Concepção de cenário: Gero Camilo e Victor Mendes

Pesquisa, supervisão e execução de cenário: José Roberto Tomasim

Execução do cenário: Bruno Matias (Più Design)

Direção de produção: Flávia Corrêa

Assistente de produção: Ana Sardinha

Produção executiva: Flávia Corrêa

Produção: Cia Tertúlia de Acontecimentos

Recursos de Acessibilidade: Iguale Comunicação de Acessibilidade

AGENDA

Local: Sesc Bom Retiro

Endereço: Alameda Nothmann, 185, Bom Retiro, São Paulo.

Data: 4 de dezembro de 2016 (domingo)

Horário: 18h

Para saber mais acesse:

www.sescsp.org.br/programacao/108460_RAZAO+SOCIAL#/content=saiba-mais

Com estreia nos cinemas, o filme Elis tem acessibilidade por meio do app MovieReading

O filme é uma ótima oportunidade para todos os públicos conhecerem um pouco mais sobre Elis Regina, com o complemento dos recursos acessíveis no app inclusivo

 23 de novembro de 2016 – A vida de Elis Regina – considerada a maior cantora brasileira de todos os tempos –, é contada no filme Elis, que estreia nesta quinta-feira, dia 24 de novembro. Uma das cinebiografias mais aguardadas dos últimos tempos, a obra chega aos cinemas contendo os recursos de audiodescrição, LIBRAS e legendas para surdos e ensurdecidos (LSE) no aplicativo MovieReading. Assim, permite a inclusão e o acesso ao seu conteúdo de modo mais completo às pessoas com deficiência visual, auditiva e intelectual.

 Por meio da parceria com a ETC Filmes, a Iguale Comunicação de Acessibilidade produziu o roteiro e os recursos acessíveis de LIBRAS, legendas e audiodescrição, deste novo filme nacional, disponibilizando-o gratuitamente para os usuários de smartphones e tablets, dos sistemas operacionais IOS e Android, no app MovieReading. Assim, ao assistir Elis, o público poderá não só conhecer detalhes da história desta grande intérprete da Música Popular Brasileira, mas também do próprio trabalho da Iguale, pioneira no país em Comunicação de Acessibilidade.

Descrição da imagem #pracegover: a foto colorida e horizontal apresenta a atriz Andréa Horta que no filme Elis interpreta a cantora Elis Regina. Ela está do lado direito da imagem, sorridente e tem as mãos próximas ao rosto, unidas e apoiadas no microfone. Do lado esquerdo, em branco, sobre fundo escuro, está o nome do filme, Elis. Na parte inferior da divulgação, dentro de um retângulo branco, as informações: “Com acessibilidade através do app MovieReading Brasil” e abaixo, os ícones dos recursos acessíveis de audiodescrição, legendas closed caption e LIBRAS – Língua Brasileira de Sinais, além do logo do app com o endereço do site www.moviereadingbrasil.com.br. No rodapé da divulgação, há a mensagem: “A Iguale Comunicação de Acessibilidade é a representante exclusiva do APP MovieReading no Brasil e América do Sul”.

Descrição da imagem #pracegover: a foto colorida e horizontal apresenta a atriz Andreia Horta que no filme Elis interpreta a cantora Elis Regina. Ela está do lado direito da imagem, sorridente e tem as mãos próximas ao rosto, unidas e apoiadas no microfone. Do lado esquerdo, em branco, sobre fundo escuro, está o nome do filme, Elis.
Na parte inferior da divulgação, dentro de um retângulo branco, as informações: “Com acessibilidade através do app MovieReading Brasil” e abaixo, os ícones dos recursos acessíveis de audiodescrição, legendas closed caption e LIBRAS – Língua Brasileira de Sinais, além do logo do app com o endereço do site www.moviereadingbrasil.com.br.
No rodapé da divulgação, há a mensagem: “A Iguale Comunicação de Acessibilidade é a representante exclusiva do APP MovieReading no Brasil e América do Sul”.

“Para usar o app é necessário um celular ou tablet com fones de ouvido e microfone habilitado. Ao selecionar o arquivo de acessibilidade correspondente ao filme baixado no ambiente do MovieReading, e clicar no botão de comando, automaticamente o app sincroniza ou a audiodescrição, ou a LIBRAS ou a legenda ao áudio original. Esta inovação da tecnologia assistiva é algo que veio para mudar o modo como a pessoa com deficiência assimila o conteúdo das obras audiovisuais e se relaciona com o universo do cinema”, explica Mauricio Santana, diretor da Iguale.

Depois de baixados nos dispositivos, para ter acesso ao app e conteúdos produzidos para acessibilidade, não é mais necessário estar conectado à Internet no momento da exibição. Assim, o aplicativo e os recursos contidos no MovieReading podem ser utilizados em qualquer sala de exibição em todo o país

Sobre o filme

O longa-metragem dirigido por Hugo Prata tem no papel principal Andreia Horta, que ganhou o prêmio de melhor atriz no Festival de Gramado 2016. O filme ganhou ainda os troféus de júri popular e melhor montagem.

O diretor Hugo Prata, que também assina o roteiro ao lado de Luiz Bolognesi e Vera Egito, optou por contar a história da adolescência à morte da artista, passando por sua ascensão à fama, o casamento com Ronaldo Bôscoli e César Mariano, e acontecimentos relacionados à ditadura militar até à fase do fim de sua vida.

Sinopse

A vida de Elis Regina é contada nesta cinebiografia em ritmo energético e pulsante. A trendsetter cultural que sinalizou a mudança de estilos de Bossa Nova para MPB, a “pimentinha” ardente, que viveu uma vida turbulenta. Ao mesmo tempo que se chocava com a ditadura militar no Brasil, ela lutou com seus próprios demônios pessoais.

Ficha técnica

Direção: Hugo Prata

Roteiro: Luiz Bolognesi, Hugo Prata e Vera Egito

Direção de Fotografia: Adrian Teijido

Elenco: Andreia Horta, Caco Ciocler, Gustavo Machado, Lúcio Mauro Filho, Júlio Andrade, Rodrigo Pandolfo, Ícaro Silva e outros

Gêneros: Drama/Biografia

Recursos acessíveis: Iguale Comunicação de Acessibilidade

Aplicativo acessível: MovieReading

Indicação: não recomendado para menores de 14 anos

Filme “O Shaolin do Sertão” chega aos cinemas com aplicativo acessível MovieReading

A comédia nacional de ação e aventura em pleno sertão cearense já está em cartaz; o filme disponibiliza os recursos acessíveis de LIBRAS, audiodescrição e legendas no app

27 de outubro de 2016 – Já em cartaz nos cinemas, o longa-metragem cearense “O Shaolin do Sertão” garante a acessibilidade de pessoas com deficiência visual e auditiva por intermédio do aplicativo MovieReading.  Para utilizar o app que no Brasil e na América do Sul é de responsabilidade da Iguale Comunicação de Acessibilidade, basta fazer o download no smartphone ou tablet e baixar os arquivos com os recursos que tem interesse em utilizar. A acessibilidade em mais esta obra cinematográfica é resultado da parceria com a ETC Filmes.

Como explica Mauricio Santana, diretor da Iguale, para o filme “O Shaolin do Sertão” estão disponíveis a audiodescrição, a interpretação em libras e as legendas para surdos e ensurdecidos (LSE). Para utilizá-los, é necessário ter um celular ou tablet com fones de ouvido e microfone. “Ao selecionar o arquivo do filme baixado no ambiente do MovieReading, e clicar no botão de comando, automaticamente o app sincroniza a audiodescrição, a LIBRAS ou a legenda ao áudio original. Esta inovação da tecnologia assistiva é algo que veio para mudar o modo como a pessoa com deficiência visual e auditiva assimila o conteúdo das obras audiovisuais e se relaciona com o universo do cinema”, salienta Santana.

Sem necessidade de conexão com a Internet no momento da exibição, o aplicativo e os recursos contidos no app MovieReading, depois de baixados, podem ser utilizados em qualquer lugar. Ou seja, em todas as salas de cinema onde o filme estiver sendo exibido e, posteriormente, em casa ou em qualquer outra plataforma onde venha a ser novamente exibido.

imagem-de-divulgacao-shaolim-do-sertao

A imagem apresenta no topo sobre o fundo azul o título do filme “O Shaolin do Sertão” e abaixo o personagem principal do filme. Ele é careca, usa uma faixa vermelha amarrada na cabeça, tem a mão direita posicionada à frente do peito com a palma virada para a esquerda; o braço esquerdo está direcionado para frente com a mão fechada como um soco. Abaixo há a mensagem sobre fundo amarelo “com acessibilidade através do app MovieReading Brasil”. Em seguida há os símbolos dos recursos de audiodescrição, legendas e LIBRAS – Lingua Brasileira de Sinais e o logotipo do aplicativo MovieReading Brasil com o site www.moviereadingbrasil..com.br

Sobre o filme

Ambientado em Quixadá nos anos 1980, o longa-metragem conta a história de Aluízio Li – Liduíno, interpretado por Edmilson Filho, um aficionado por artes marciais que vive com a cabeça no mundo das lutas de tanto assistir a filmes chineses; o que é motivo de chacotas em sua cidade natal. Neste contexto, Aluízio Li se vê diante de um grande desafio quando o lutador aposentado de vale-tudo Toni Tora Pleura, interpretado por Fábio Goulart, anuncia um tour de desafios aos valentões de várias cidades do interior do Ceará, incluindo Quixadá. O filme é dirigido pelo cineasta Halder Gomes, o mesmo de Cine Holliúdy.

Ficha Técnica

Produzido por Halder Gomes

Roteiro de L.G. Bayão

Escrito por Halder Gomes

Estrelando por Edmilson Filho.

Direção de Halder Gomes
Apresentando Bruna Hamú.

Participação especial de Fafy Siqueira. Com Dedé Santana, Marcos Veras, Falcão, Igor Jansen, Fábio Goulart, Frank Menezes, Cláudio Jaborandy, Haroldo Guimarães e grande elenco.

Gêneros: Comédia e Ação

Estúdio: ATC Entretenimentos

Recursos acessíveis e app: Iguale Comunicação de Acessibilidade via MovieReading, em parceria com a ETC Filmes.

Mais informações

Liliana Liberato

Assessora de Imprensa

Iguale Comunicação de Acessibilidade

imprensa@iguale.com.br

(11) 9 7999-2802

Filme estrelado por Marília Pêra e Samantha Schmutz chega aos cinemas contendo recursos acessíveis no app MovieReading

Mais um filme que acaba de ganhar os recursos acessíveis da Iguale Comunicação de Acessibilidade, por intermédio da parceria com a ETC Filmes

 São Paulo, 8 de setembro de 2016 – “Tô Ryca!” chega aos cinemas de todo o Brasil no dia 22 de setembro, e promete fazer o espectador rir e também se emocionar. Isso porque é o primeiro filme em que a atriz Samantha Schmultz, reconhecida por sua veia humorística, atua como protagonista, e o último longa-metragem da consagrada atriz Marília Pêra, que faleceu em dezembro passado. E mais: o filme terá os recursos de acessibilidade produzidos pela Iguale Comunicação de Acessibilidade app MovieReading.

imagem-de-divulgacao-com-acessibilidade-to-ryca

Descrição da imagem #pracegover: a personagem Selminha, interpretada pela atriz Samantha Smutz, está sentada em um pequena montanha de notas de 100 reais, segurando uma taça de champanhe. Atrás dela, em pé, estão outros cinco personagens do filme. A personagem principal, ao centro, está sorridente. Tem a pele bronzeada, é magra, tem o cabelo clareado, liso e comprido. Usa um vestido rosa curto com decote e um casaco azul. Na mão direita segura uma taça de champanhe e no braço esquerdo está apoiando uma pequena bolsa dourada. Ela está de pernas cruzadas e nos pés usa um salto alto roxo. Ao fundo, da esquerda para direita, estão: uma jovem alta, magra, de cabelos compridos e loiros. Ela usa vestido preto brilhante com decote e está de braços cruzados com expressão de descaso. Ao lado dela está um homem de terno preto, camisa amarela e gravata quadriculada em amarelo e preto. Ele sorri “de canto de boca” levantando de leve uma sobrancelha. Ao lado dele, no centro, outra jovem usa um vestido dourado com uma faixa azul na cintura e um casaco xadrez colorido. Ela tem brinco de flor azul que combina com o colar de mesmo formato. O cabelo da personagem é curto e castanho, ela segura uma taça de champanhe na mão esquerda. Ao lado dela, outro homem veste um terno cinza com camisa branca e gravata colorida. Ele tem barba e cabelo preto. Na mão esquerda segura uma maleta preta. Ao lado, uma mulher usa um vestido preto e acena com a mão direita para o espectador da imagem. Ela tem o cabelo castanho comprido e franja. Ao longo da imagem existem outras notas de 100 reais que aparentam voar. No topo da imagem está o título do filme “To Ryca” em cor verde com bordas douradas e pequenos pontos brilhantes em seu preenchimento. Abaixo da foto estão as seguintes informações: “com acessibilidade através do app MovieReading Brasil.” Abaixo há a sinalização dos recursos acessíveis de audiodescrição, closed caption e LIBRAS e o logotipo do aplicativo MovieReading Brasil. Embaixo está o site www.moviereadingbrasil.com.br. No rodapé da imagem a mensagem “A Iguale Comunicação de Acessibilidade é a representante exclusiva do APP MovieReading no Brasil e América do Sul”.

Quando chegar ao cinema, o filme poderá ser visto por todos os públicos, explica Mauricio Santana, diretor da Iguale, já que para ele foram produzidos a LIBRAS, para as pessoas com deficiência auditiva, a audiodescrição, para as pessoas com deficiência visual e intelectual, e as legendas descritivas para surdos e ensurdecidos. Todos esses recursos poderão ser acessados por meio do aplicativo MovieReading, que no Brasil e América do Sul tem a chancela da Iguale. Depois de filmes como ‘Mais forte que o mundo – A história de José Aldo’, ‘Mulheres no Poder’ e ‘Porta dos Fundos – Contrato Vitalício’, a Iguale e a ETC Filmes comemoram com “Tô Ryca!” mais uma obra cinematográfica com acessibilidade.

“Ao decidir pela produção dos recursos de audiodescrição, legendas e LIBRAS, os responsáveis pela produção e distribuição do filme contribuem sobremaneira para que a pessoa com deficiência compreenda com riqueza de detalhes as situações contidas na obra, muitas vezes imperceptíveis para quem não vê ou não ouve, por exemplo. Uma importante iniciativa para tornar os filmes nacionais acessíveis, já que os recursos disponíveis no MovieReading têm acesso gratuito em celulares ou tablets e a sala de exibição não depende de instalação rede Wi-fi, o que permite ser utilizado em todas as salas de cinema onde for exibido”, completa Santana.

Ao baixar o app MovieReading em seu aparelho, o usuário pode acionar legendas, LIBRAS e audiodescrição que serão sincronizadas, em tempo real ao filme, através do reconhecimento de áudio. Para usar o app com o recurso da audiodescrição, é necessário ter fones de ouvido conectados ao aparelho. O MovieReading sincroniza os arquivos de acessibilidade com o som do filme em exibição através do reconhecimento do áudio, portanto uma dica é ter cuidado para não obstruir a captação do microfone do celular ou tablet. O microfone é o mesmo que transmite a voz para outra pessoa em uma ligação telefônica.

Sinopse “Tô Ryca!”

A vida dura de frentista pode estar com os dias contados para Selminha (Samantha Schmütz). Tudo porque ela pode pôr a mão numa herança. Mas para isso, seu tio de quem herdou a fortuna estipula um desafio. Selminha tem de gastar R$ 30 milhões em 30 dias. No entanto, nessa corrida contra o tempo, a frentista precisa fazer isso em segredo e não juntar itens comprados. Se conseguir, ela ficará com a herança de R$ 300 milhões.

Agenda

Estreia: 22 de setembro 20016

Em salas de cinema de todo o Brasil.

Ficha técnica

Diretor: Pedro Antonio

Elenco: Samantha Schmutz, Katiuscia Canaro, Marcelo Adnet, Marília Pêra, Anderson Di Rizzi, Marcus Majella.

Gênero: comédia

Distribuidora: Paris Filmes

Recursos acessíveis: Iguale Comunicação de Acessibilidade.

Sobre a Iguale

A Iguale Comunicação de Acessibilidade é a primeira empresa do Brasil criada exclusivamente para pensar e desenvolver soluções assistivas completas em comunicação para pessoas com algum tipo de deficiência. Fundada em 2008, em São Paulo, pelo publicitário, professor universitário e empresário Mauricio Santana, a empresa é precursora do conceito de comunicação de acessibilidade no país. Entre os recursos que a empresa disponibiliza ao mercado estão a audiodescrição, as legendas descritivas (closed caption e open caption), LIBRAS, voice over, acessibilidade web e participação efetiva em muitos projetos com foco em acessibilidade. A Iguale também é a responsável no Brasil e na América do Sul pelo aplicativo MovieReading.

Mais informações

Liliana Liberato

Assessora de Imprensa

Iguale Comunicação de Acessibilidade

imprensa@iguale.com.br

(11) 9 7999-2802

Em cartaz no CCSP, espetáculo ‘A Princesa e a Costureira’ terá sessão com recurso de audiodescrição

O roteiro e a produção do recurso acessível é da Iguale. A entrada no dia da sessão com  acessibilidade será gratuita

São Paulo, 16 de agosto de 2016 – O espetáculo infanto-juvenil “A Princesa e a Costureira”, em cartaz no Centro Cultural São Paulo, terá sessão acessível no dia 20 de agosto, com o recurso de audiodescrição produzido pela equipe da Iguale Comunicação de Acessibilidade. Neste dia, a entrada será gratuita, e os ingressos começarão a ser distribuídos duas horas antes do início da apresentação.

Produzida e encenada pelo Teatro da Conspiração de Santo André, a peça “A Princesa e a costureira” traz como trama a princesa Cíntia que está prometida em casamento para o príncipe do reino vizinho, mas que se apaixona pela costureira de seu vestido de noiva. O espetáculo aguça a reflexão sobre as chamadas “diferenças”, que não devem ser traduzidas em “desigualdades”.

Descrição da imagem #pracegover: a imagem retrata uma das cenas do espetáculo, na qual três personagens encenam uma apresentação musical. Da esquerda para a direita um homem, de joelhos, sorri enquanto parece batucar um pandeiro. Ao centro, uma mulher toca uma sanfona, e do seu lado direito, uma outra mulher toca um violão. Todos parecem cantar. Compondo a imgem estão as informações: A Princesa e a Costureira – Centro Cultural São Paulo – Temporada 2016 – Apresentação sábdos e domingos – De 9 de julho a 4 de setembro, às 16h. Rua Vergueiro, 1000, São Paulo. Estação Vergueiro do metrô. Logomarca da prefeitura de São Paulo e do CCSP.

Descrição da imagem #pracegover: a imagem retrata uma das cenas do espetáculo, na qual três personagens encenam uma apresentação musical. Da esquerda para a direita um homem, de joelhos, sorri enquanto parece batucar um pandeiro. Ao centro, uma mulher toca uma sanfona, e do seu lado direito, uma outra mulher toca um violão. Todos parecem cantar. Compondo a imagem estão as informações: A Princesa e a Costureira – Centro Cultural São Paulo – Temporada 2016 – Apresentação sábados e domingos – De 9 de julho a 4 de setembro, às 16h. Rua Vergueiro, 1000, São Paulo. Estação Vergueiro do metrô. Logomarca da prefeitura de São Paulo e do CCSP.

O recurso de audiodescrição, disponível no espetáculo “A Princesa e a costureira”, tem como objetivo facilitar a compreensão do conteúdo não verbal às pessoas com deficiência visual e intelectual, já que por meio dele, elas têm acesso a detalhes da obra como os elementos que compõem o cenário, o figurino, a fisionomia dos personagens e principalmente as ações, tudo por meio do som, das palavras oralizadas.

Como explica Mauricio Santana, diretor da Iguale, para este espetáculo a audiodescrição foi previamente roteirizada e depois revisada por um profissional com deficiência visual. Tudo para garantir a assertividade do material. “A audiodescrição interage de acordo com os espaços oferecidos entre os diálogos dos personagens, respeita o roteiro original, as intenções de pausas, ruídos sonoros e trilhas”, completa.

Ficha técnica do espetáculo
Dramaturgia: Solange Dias a partir da adaptação do livro homônimo de Janaína Leslão
Direção: Antônio Correa Neto
Atores: Erika Coracini, Mariana Sancar e Marcio Ribeiro
Direção musical e Música Original: Elaine Marin
Música “Costura da Vida” gentilmente cedida por Sérgio Pererê
Figurinos, Cenografia e Arte Gráfica: Mauro Martorelli
Iluminação: Cássio Castelan
Assessoria de imprensa: Fernanda Vicente
Fotos: Alexandre Krug
Produção: Erika Coracini
Duração: 60 minutos
Faixa Etária: livre

Agenda

Espetáculo: “A Princesa e a costureira”

Companhia: Teatro da Conspiração de Santo André

Local: CCSP – Centro Cultural São Paulo – Sala Jardel Filho (321 lugares)

Data: 20 de agosto de 2016 às 16h

Recurso acessível de audiodescrição: Iguale Comunicação de Acessibilidade

Sobre a Iguale

A Iguale Comunicação de Acessibilidade é a primeira empresa do Brasil criada exclusivamente para pensar e desenvolver soluções assistivas completas em comunicação para pessoas com algum tipo de deficiência. Fundada em 2008, em São Paulo, pelo publicitário, professor universitário e empresário Mauricio Santana, a empresa é precursora do conceito de comunicação de acessibilidade no país. Entre os recursos que a empresa disponibiliza ao mercado estão a audiodescrição, as legendas descritivas (closed caption e open caption), LIBRAS, voice over, acessibilidade web e participação efetiva em muitos projetos com foco em acessibilidade. A Iguale também é a responsável no Brasil e na América do Sul pelo aplicativo inclusivo MovieReading.

Mais informações

Liliana Liberato

Assessora de Imprensa

Iguale Comunicação de Acessibilidade

imprensa@iguale.com.br

(11) 9 7999-2802

Espetáculo infantil e show musical no SESC Santana terão recurso de audiodescrição

O recurso de acessibilidade que oferece mais autonomia ao conteúdo das obras, principalmente por parte das pessoas com deficiência visual, será produzido pela equipe da Iguale

 São Paulo, 28 de julho de 2016 – O espetáculo teatral “Antes do dia clarear” e o musical “Teresa Cristina canta Cartola”, ambos em cartaz no SESC Santana, em São Paulo, terão sessões no domingo, dia 31, com o recurso de audiodescrição produzido pela Iguale Comunicação de Acessibilidade. Iniciativa que permitirá ao público com deficiência assistir com mais autonomia tais atrações culturais.

 Para quem não conhece, o recurso de audiodescrição tem como principal objetivo facilitar a compreensão do conteúdo não verbal às pessoas com deficiência visual e também intelectual, já que por meio dele, elas têm acesso a detalhes da obra como os elementos que compõem o cenário, o figurino, a fisionomia dos personagens, tudo por meio do som, das palavras oralizadas.

 Como explica Mauricio Santana, diretor da Iguale, para o espetáculo “Antes do dia clarear” a audiodescrição foi previamente roteirizada e revisada por um profissional com deficiência visual. “A audiodescrição interage de acordo com os espaços oferecidos entre os diálogos dos personagens, respeita o roteiro original, as intenções de pausas, ruídos sonoros e trilhas”, detalha.

Descrição da imagem #pracegover: No alto de um retângulo de cor cinza, na vertical, está escrito do lado esquerdo da imagem: Programação Acessível – Dia 31/07 (domingo) no Sesc Santana. Do lado direito o logo da Iguale identificando o logo acessível referente ao recurso que estará disponível, a audiodescrição. Logo abaixo, do lado esquerdo, a foto da cantora Teresa Cristina cantando e do lado direito a foto de rostos de dois palhaços. Abaixo de cada uma das imagens as informações: ‘Teresa Cristina canta Cartola’ – 18h – Duração 90 minutos – Classificação Livre. ‘Antes do Dia Clarear’ teatro infantil – 14h – Duração 50 minutos – Classificação Livre. Local: Teatro do Sesc Santana – Av. Luiz Dumont Villares, 579, Santana – São Paulo – SP.

Descrição da imagem #pracegover: No alto de um retângulo de cor cinza, na vertical, está escrito do lado esquerdo da imagem: Programação Acessível – Dia 31/07 (domingo) no Sesc Santana. Do lado direito o logo da Iguale identificando o logo acessível referente ao recurso que estará disponível, a audiodescrição.
Logo abaixo, do lado esquerdo, a foto da cantora Teresa Cristina cantando e do lado direito a foto de rostos de dois palhaços. Abaixo de cada uma das imagens as informações: ‘Teresa Cristina canta Cartola’ – 18h – Duração 90 minutos – Classificação Livre. ‘Antes do Dia Clarear’ teatro infantil – 14h – Duração 50 minutos – Classificação Livre. Local: Teatro do Sesc Santana – Av. Luiz Dumont Villares, 579, Santana – São Paulo – SP.

 Já para o musical foi realizada uma pesquisa sobre a cantora e o show que será apresentado como um pré-roteiro, pois espetáculos musicais têm uma característica diferente da do teatro, e necessita de uma audiodescrição realizada também ao vivo, simultaneamente à apresentação; porém sem roteiro definido, já que as performances da cantora e dos músicos, e também do público podem ser diferentes a cada show.

 O espetáculo infantil é inspirado na lenda que mantém o costume dos mais antigos moradores de circo, que depois da meia noite não pisam no picadeiro, pois esse lugar é reservado aos ancestrais circenses para que possam ali fazer seus espetáculos. Nesse contexto, dois homens silenciosamente invadem um grande circo antigo na calada da noite, revelando o universo mágico dos palhaços e uma forte relação de amizade com diferenças, conflitos, mas também com muita graça, beleza e poesia.

 Ficha técnica

Elenco: David Taiyu e Sandro Fontes.

Direção: Fernando Escrich e Ronaldo Aguiar

Trilha sonora: Fernando Escrich

Músicas: Nino Rota.

Duração: 55 minutos

Local: Teatro.

Duração: 55 minutos.

Audiodescrição: Iguale Comunicação de Acessibilidade

 ‘Musical – Teresa Cristina canta Cartola’

 Apresentada ao mercado fonográfico brasileiro há 14 anos com o songbook duplo A música de Paulinho da Viola (Deckdisc, 2002), a cantora apresenta o show ‘Teresa Cristina canta Cartola’.

O público vai sambar ao som de músicas como “O mundo é um moinho”, “Alvorada”, “Peito Vazio”, “O sol nascerá”, “As rosas não falam” e outros grandes sucessos do saudoso Cartola. Mesmo sendo portelense de corpo e alma, Teresa não esconde a sua grande paixão e admiração pelo poeta cuja obra ela diz se “(con)fundir com a história de Mangueira, morro e Escola”, passando por estilos como o “samba canção, samba de terreiro, partido alto e samba-enredo”.

 Duração: 90 minutos.

Audiodescrição: Iguale Comunicação de Acessibilidade

 Agenda

 Espetáculos infantil ‘Antes do dia clarear’

Dia 31 de julho às 14h

 Show musical ‘Teresa Cristina canta Cartola’

Dia 31 de julho às 18h

 Local: Teatro do Sesc Santana

Avenida Luiz Dumont Villares, 579, Santana – São Paulo

Mais informações na bilheteria do Sesc ou no site.